setembro 26

Resenha: O Ritual de Jéssica Anitelli

            Quero iniciar esta resenha de uma forma um pouco diferente. Todo mundo sabe que eu e a escritora Jéssica Anitelli somos muito amigas, certo? O que vocês não sabem é que eu sou a PIOR leitora beta do mundo e mesmo assim, ela continua confiando em mim e sempre que peço ela me envia seus textos para que eu possa analisá-los antes que sejam publicados. Mas depois de alguns capítulos, acabo desistindo porque prefiro ler livros impressos e falo pra ela: “Leio quando publicar”. Ela sempre responde apenas: “O.K.” E continua sendo minha amiga, rs. Pois então, acontece que com O Ritual, o mesmo sucedeu-se, logo que terminei O Punhal, o primeiro livro da série, pedi a ela que me enviasse o segundo pois estava ansiosa pela continuação, mas como já lhe disse, desisti da leitura na metade porque eu sou uma DROGA  de leitora beta, rs. Na Bienal do Rio de Janeiro, como sempre, dividimos o mesmo quarto de hotel e a primeira coisa que fizemos ao nos encontrar foi “trocar” livros. Dei a ela um exemplar de Abismo e ela me presenteou com um exemplar de O Ritual. Já na viagem de volta, vim lendo-o, a partir do ponto em que parara na versão digitalizada e como a viagem era muuuuuuuuito longa, deu tempo de terminar a história. Em seguida, prometi à Jéssica que logo logo faria resenha e ela, sempre tão compreensiva, ficou esperando pela resenha. E esperou, esperou e esperou. Jéssica, eu te adoro e sei que vai me perdoar pela demora, pois somos BFF, hehehe.

Enfim, vamos à resenha!

Sinopse: 

Será mesmo certo um humano conviver tão próximo ao seu maior predador? Júlia pensava que seu amor por Diogo era maior que tudo e que a partir daquele momento as coisas se ajeitariam e eles, finalmente, poderiam ficar juntos. Será mesmo? O Conselho dos vampiros não deixará a pobre garota em paz, pois ela carrega consigo a maior arma de eliminação da sua espécie. E se não bastasse essa perseguição que a deixa transtornada, há também Marta, que continuará a mexer com as emoções do jovem vampiro de olhos verdes e da menina ruiva. Observando tudo de cima está Henrique, que não abandonará o corpo de seu parente até que o ritual seja realizado e assim possa voltar ao que era há mais de 100 anos. Mas até que isso aconteça, este vampiro que não possui dentro de si nada de humano, causará conflitos e dores. O segundo livro da série promete arrebatar o leitor do começo ao fim e levá-lo a manifestar sentimentos dos mais variados.

Resenha:
O Punhal, foi o primeiro livro de Jéssica, escrito quando ela era ainda adolescente. Lembro-me que quando o li, vi ali uma autora jovem com muito potencial e uma história instigante, algo raro nessa nova seara de novos autores. Depois dele, Jéssica tem trabalhado em diversos livros, e com isso, adquiriu experiência e isso reflete-se muito bem em O Ritual. Um livro com certeza mais maduro, mais denso, mais impactante. O que achei mais interessante foi a forma como ela conduzia a história. Enquanto O Punhal é narrado em terceira pessoa, mas sempre pelo ponto de vista de Diogo, O Ritual também é narrado em terceira pessoa, porém desta vez, pelo ponto de vista da Júlia e em alguns momentos, do ponto de vista de outros personagens, tais como Miguel e Açucena, personagens apresentados neste volume da série. O foco também é um pouco “desviado” do casal protagonista do primeiro volume, pois agora eles tornaram-se parte de algo muito maior, parte de uma conspiração por ressurreição e poder. Novas e misteriosas criaturas  são apresentadas, além de rituais macabros e sinistros. Há ainda o princípio da história de Beatriz, a filha de Diogo e Júlia, que por ser uma “híbrida”, meio humana, meio vampira, é uma ameaça crescente para ambas as raças. 
No primeiro livro, odiei a Júlia, mas neste livro adorei como ela dá um “jeitinho” em sua rival, hahaha. Foi o ponto alto do livro! Ah, quero fazer uma pequena ressalva: Jéssica anda tão empolgada com os livros eróticos que acabou “apimentando” um pouco essa série também, por isso, para quem gosta, vai adorar certos trechos.


 Achei que Nelson perde um pouco a importância neste livro e Henrique também, esperava mais “aparições” dos dois. O grande trunfo do livro é mostrar que apaixonar-se por um vampiro têm lá as suas desvantagens, tais como: passar os dias sozinha,  acordar ao lado de um defunto, tudo é muito mais complicado, doloroso e estranho ao lado dele, enfim, que Crepúsculo é para os fracos, kkkkkkkk.
Recomendo a leitura e só para constar, já estou com O Conselho, o terceiro livro da série, em mãos, só que desta vez, vou terminar de lê-lo antes que seja publicado, afinal, serei sua revisora.

junho 7

Resenha Cisne

Olá amigos do Blog!

Hoje trago a resenha do livro: Cisne  – Uma geração , Todas as decisões -, escrito pela talentosa Eleonor Hertzog.
Para quem não sabe, Eleonor Hertzog é gaúcha tchê! – Porto Alegre −, e colega de profissão. Na verdade o correto é Dra. Eleonor Hertzog – foto ao lado- ; pediatra de formação  e escritora de coração.
Uma ávida leitora e, diga-se de passagem, com um grande potencial criativo.
A principio acabei me assustando com o tamanho do livro. Porém, depois que você embarca na estória do Cisne, as páginas tornam-se atrativas e enigmáticas.
O livro nos apresenta o Doutor Henry Melbourne e a Doutora Doris, um casal de Biólogos formados  pela Escola Avançada de Champ-Bleux,; na qual transformaram seu barco CISNE em um “Lar“ maravilhoso.
O casal tem sete filhos, sendo Peggy adotada e mais velha do que Lis-─ apenas em um ano─, Ted e Teo -─ os filhos mais velhos do casal, gêmeos com dezesseis anos─, Tim e Tom─, gêmeos com quinze─, Lis tinha treze ; Bobby com oito e Peggy com catorze.
Ok…  Sei que são muitos personagens, mas cada um vai ocupando seu lugar na trama, pois  o nível de turbulência a bordo variava de acordo com o ânimo da garotada ─bem disciplinada por sinal ─, onde  cada um tinha seus afazeres distribuídos pelos pais como parte integrante da tripulação.
A trama começa relatando o sonho dos filhos em passar nos exames de seleção da Escola Avançada de Champ-Bleux, – uma forma de seguir os passos dos pais -, na qual aguardavam os resultados sem esperança… ( achando apenas que um deles teria a sorte de ingressar nessa Escola).
O resultado da admissão sai em Porto Alto – cidade onde o navio atracou -, e quando o Cisne chegava , o cais fervilhava e as crianças, jovens e adultos envolviam-se em  momentos de diversão. –  “A família era muito bem acolhida pelos habitantes deste local.”
A Escola Avançada de Champ-Bleux guarda seus mistérios e o resultado da admissão, não posso contar se não vira spoiler…, mas posso adiantar que o resultado gera uma certa turbulência e aí vocês terão que descobrir.
A Trama vai fluindo, surgem novos personagens que complementam muito o enredo da estória; como dois repórteres ─ um era tariliano e o outro terráqueo, alunos intercâmbio Cultural Interplanetário; os doutores Melboure – biólogos marinhos que pesquisavam Atlântida. Vale lembrar que o Dr Henry e Doris eram kreganianos e vieram de um planeta distante.
A leitura e muito bem descrita, cativante principalmente nos detalhes e nomes relativos aos personagens que foram muito bem construídos.
Em diversos momentos da leitura cheguei a considerar O Cisne como uma nova leitura para os fãs “órfãos” de Harry Potter – “A nova Geração”.
Clique aqui para adquirir seu livro “Cisne” direto do blog da autora.
 
Dados Técnicos:
Autor: Eleonor Hertzog
Gênero: InfantoJuvenil,Ficção
ISBN: 9788582180372
Nº de páginas: 832
Dimensão: 17×24
 
 
 Postado por Hermes M. Lourenço
junho 7

Resenha Cisne

Olá amigos do Blog!

Hoje trago a resenha do livro: Cisne  – Uma geração , Todas as decisões -, escrito pela talentosa Eleonor Hertzog.
Para quem não sabe, Eleonor Hertzog é gaúcha tchê! – Porto Alegre −, e colega de profissão. Na verdade o correto é Dra. Eleonor Hertzog – foto ao lado- ; pediatra de formação  e escritora de coração.
Uma ávida leitora e, diga-se de passagem, com um grande potencial criativo.
A principio acabei me assustando com o tamanho do livro. Porém, depois que você embarca na estória do Cisne, as páginas tornam-se atrativas e enigmáticas.
O livro nos apresenta o Doutor Henry Melbourne e a Doutora Doris, um casal de Biólogos formados  pela Escola Avançada de Champ-Bleux,; na qual transformaram seu barco CISNE em um “Lar“ maravilhoso.
O casal tem sete filhos, sendo Peggy adotada e mais velha do que Lis-─ apenas em um ano─, Ted e Teo -─ os filhos mais velhos do casal, gêmeos com dezesseis anos─, Tim e Tom─, gêmeos com quinze─, Lis tinha treze ; Bobby com oito e Peggy com catorze.
Ok…  Sei que são muitos personagens, mas cada um vai ocupando seu lugar na trama, pois  o nível de turbulência a bordo variava de acordo com o ânimo da garotada ─bem disciplinada por sinal ─, onde  cada um tinha seus afazeres distribuídos pelos pais como parte integrante da tripulação.
A trama começa relatando o sonho dos filhos em passar nos exames de seleção da Escola Avançada de Champ-Bleux, – uma forma de seguir os passos dos pais -, na qual aguardavam os resultados sem esperança… ( achando apenas que um deles teria a sorte de ingressar nessa Escola).
O resultado da admissão sai em Porto Alto – cidade onde o navio atracou -, e quando o Cisne chegava , o cais fervilhava e as crianças, jovens e adultos envolviam-se em  momentos de diversão. –  “A família era muito bem acolhida pelos habitantes deste local.”
A Escola Avançada de Champ-Bleux guarda seus mistérios e o resultado da admissão, não posso contar se não vira spoiler…, mas posso adiantar que o resultado gera uma certa turbulência e aí vocês terão que descobrir.
A Trama vai fluindo, surgem novos personagens que complementam muito o enredo da estória; como dois repórteres ─ um era tariliano e o outro terráqueo, alunos intercâmbio Cultural Interplanetário; os doutores Melboure – biólogos marinhos que pesquisavam Atlântida. Vale lembrar que o Dr Henry e Doris eram kreganianos e vieram de um planeta distante.
A leitura e muito bem descrita, cativante principalmente nos detalhes e nomes relativos aos personagens que foram muito bem construídos.
Em diversos momentos da leitura cheguei a considerar O Cisne como uma nova leitura para os fãs “órfãos” de Harry Potter – “A nova Geração”.
Clique aqui para adquirir seu livro “Cisne” direto do blog da autora.
 
Dados Técnicos:
Autor: Eleonor Hertzog
Gênero: InfantoJuvenil,Ficção
ISBN: 9788582180372
Nº de páginas: 832
Dimensão: 17×24
 
 
 Postado por Hermes M. Lourenço
março 2

Resenha O Ceifeiro


Olá amigos do blog!

Hoje trago para vocês mais uma nova resenha.
Dizem que o maior chamariz para a leitura de um livro é a capa e posso lhes afirmar que isso é verdade. Quando vi a capa do livro O Ceifeiro ─ criada pelo César Oliveira ─, realmente fiquei com aquela vontade gostosa de saborear o livro, automaticamente entrando o livro para minha humilde lista de leitura. A capa é muito convidativa e transmite mistério e religiosidade principalmente pelo anjo estar com as mãos em prece, por trás de um cenário de uma grande cidade.  Também tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o autor Al Gomes no evento literário em Itapeva – SP ─ minha cidade natal ─, e posso lhes assegurar que o autor carrega como marca pessoal a timidez e isso dá um tempero especial a obra. Então vamos lá!

Autor: Al Gomes
Gênero: Ficção
ISBN: 9788582180150
Nº de páginas: 216
Dimensão: 14×21
Editora: Dracaena
Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/221066

Sinópse:
Acordar nos braços de um anjo seria a última coisa que Duda Vasques teria pensado quando tentou se suicidar. No entanto, foi exatamente isso que aconteceu.
O anjo Ariel, que se apresenta como sendo o seu suposto Ceifeiro – após recuperar sua memória – a leva através de uma jornada por lugares do além-vida como a Geena e o Hades.
Porém, quando a alma de Duda desaparece misteriosamente antes que cheguem a Cidade dos Suicidas, Ariel terá que correr contra o tempo para encontrá-la antes que Seth, seu General Celeste, descubra que ele perdeu a conexão com aquela cuja alma ele deveria ceifar.
Enquanto isso, refém de entidades sombrias que se alimentam da energia produzida por seus sonhos, a alma de Duda ameaça cruzar a frágil linha que separa os sonhos da realidade.
Conseguirá ela escapar e voltar para o seu corpo físico? 

Ou sua consciência se perderá para sempre no Mundo dos Sonhos?
Um lugar onde realidade e fantasia se misturam e nada é o que parece ser.

Resenha

Primeiramente, o Ceifeiro é um livro para ser lido com a mente aberta, deixando de lado todos nossos estigmas referentes a religiosidade. É por isso que o livro é classificado no gênero de ficção e dentro da literatura fantástica.
Nossa protagonista, chama-se Duda Vasques, uma modelo que trabalha na agência Beauty Models  do namorado Gabriel, entrando em uma fase não muito boa da carreira, pois sofre de anorexia nervosa. Apesar de alertada pela mãe e pelo namorado – diversas vezes -, chega um momento em que o namoro entra em crise e ela sutilmente é convidada a afastar-se da agência.
Então vocês podem imaginar o resultado da seguinte fórmula: modelo + anorexia nervosa + demissão.
Examente… O resultado é uma terrível depressão seguida da tentativa de suicídio, o que coloca Duda Vasques em coma por um longo período.
Bem, é nesse ponto que o livro começa.
Duda acorda em outro mundo, aos cuidados de seu Ceifador, o Anjo Ariel, que se apaixona por ela, porém não pode tocá-la, ao menos que fosse permitido através de um julgamento em um tribunal de anjos, porém, raríssimas vezes os julgamentos foram a favor do romance entre anjos e humanos.  Caso ocorresse o romance sem a permissão, Ariel se tornaria um anjo caído, o seja, seria abolido pelo céu e pelo inferno.
Em vários momentos o livro me lembrou uma mistura do filme Cidades dos Anjos com o livro a Divina Comédia de Dante Alighieri, porém de forma bem resumida, com algumas citações religiosas no meio da obra ─ por isso minha menção inicial no início da obra para ler o livro com a mente aberta ─, que acrescem muito o plot da história.
Quanto ao final… bem, não posso contar se não vira spoiler. Porém, confesso que não foi o que eu esperava ─ talvez pela religiosidade envolvida e meu gosto pessoal─, mas posso lhe assegurar que muitos leitores irão amar.
Um livro simples, com uma escrita fluída e cativante. Al Gomes nos mostra mais uma vez que temos uma safra especial de autores nacionais a caminho capazes de nos surpreender e nos conduzir a uma viagem ─ ainda que curta ─ ao “inferno”, “purgatório” e “paraíso”.
Um livro de ótima qualidade editorial, boa diagramação e boa revisão.
Recomendo a todos que curtem o gênero.

Sobre o Autor

 
Al Gomes é natural de Alagoas, tem 37 anos e é formado em magistério. Em 1997 mudou-se para São Paulo onde vive e trabalha como Suporte Técnico há dez anos. Adora ouvir música, preferencialmente da década de 80 e 90, ler e escrever, sempre acompanhado de uma boa xícara de café. Seu primeiro livro, O Ceifeiro, é um romance sobrenatural voltado para jovens e adultos.