outubro 31

É com imensa satisfação que venho anunciar a todos os seguidores do blog, que o livro A Conspiração Vermelha encontra-se a venda já traduzida em inglês.
Quem se interessar é só clicar na imagem abaixo e boa leitura!
Um forte abraço a todos!

 
It is with great satisfaction that I announce to all followers of the blog, the book The Red Conspiracy is selling now translated into English.
Anyone interested just click the image below and happy reading!
A big hug to everyone!

 
http://www.amazon.com/The-Red-Conspiracy-HERMES-LOUREN%C3%87O-ebook/dp/B00G2EX6XG/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1383226727&sr=8-1&keywords=hermes+m.+louren%C3%A7o
 
 
PRICE: $ 2,99
 
outubro 31

HALLOWEEN

 
“Parabéns pelo Halloween, leitores de Hermes M. Lourenço.
Em breve iremos nos encontrar, e que Deus tenha piedade de suas pobres e vulneráveis almas.”
 
A Bruxa
 
 
outubro 14

Depressão Literária

Olá amigos do blog!
Bem hoje vou falar um pouco com vocês sobre a depressão literária.
Confesso que nunca imaginei que fosse cair nas garras da famigerada depressão literária, porém, aconteceu, e devido a minha forma de ser – ou seja, de ver o lado bom de tudo, incluindo dos fatos não agradáveis que se manifestam em nossas vidas -, decidi criar esse post.
A princípio, cheguei a acreditar que já havia passado por tudo nessa minha jornada literária, e confesso que algumas pedras no meio de do meu caminho editorial me incomodavam, e isso doía demais, quando alguns de meus leitores me procuravam com a seguinte pergunta “ Hermes, em qual livraria que eu encontro teu livro?”.
Teoricamente eu já sabia a resposta, por ter publicado em algumas editoras com pouca ou quase nenhuma distribuição em livrarias físicas.
Em momento algum quero criticar as editoras com as quais trabalhei, pelo contrário, todas elas me forneceram experiência que agregaram meu conhecimento e claro, boas amizades.
O fato é que vivenciando esse estresse literário, um dia, uma de minhas leitoras me mandou uma mensagem dizendo de certa forma tudo aquilo que já me incomodava. Foi como tirar a “casca” de uma ferida recente…  e essa leitora estava coberta de razão.
Então, decidi de certa forma jogar tudo pro alto — rescisões contratuais — e começar do zero, ou seja, pegar as trouxas e amarrar nas costas, e começar o caminho de Santiago em busca de uma editora comercial.
Nesse momento vocês irão compreender o grande problema da depressão literária.
Imagine você, depois de conquistar um espaço relativamente bom no meio editorial, ter que jogar tudo pro alto. E pior, ver seu livro gradativamente sendo retirado dos poucos sites de venda e tendo que cumprir prazos e sem sequer poder colocar seu livro com seu nome a venda nem que seja no formato e-book, por cláusulas contratuais. Ou seja, ver todo seu trabalho se escoar no ralo da pia do mercado editorial.
Isso deprime. E o pior, ter que começar a enviar novamente os originais para algumas editoras comerciais e cair novamente na longa e eterna espera.
Vale a pena?
Com certeza vale.
Estou seguro de que escolhi o melhor caminho e nem sempre os melhores caminhos são cobertos de flores.
Já tive algumas propostas, porém até agora estão sendo analisadas, mas lhe asseguro que para o escritor que já tem alguns modestos livros publicados isso não é fácil. A boa notícia é que com o tempo você se acostuma e o legal, é que então compreendemos a nos conhecer, nos superar e acrescentamos mais uma página de experiência em nosso curriculum literário.
Aprendi com tudo isso a dominar meu autocontrole, paciência, persistência e a coragem por se aventurar em uma nova jornada.
Quanto a resposta, é simples:
“Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.”

Fernando Pessoa
outubro 13

Resenha: “Possuída” de Vanessa Bosso

Sinopse – Possuída – Vanessa Bosso

Lúcifer possui um plano muito bem engendrado. Um ser das trevas ultrapassa os limites do tempo-espaço e rasga o véu da realidade mundana. Um corpo humano é roubado e servirá perfeitamente para os planos do submundo. Para piorar a situação, um anjo guardião é sequestrado. Entre sussurros, arrepios e mensagens do além, Alicia se vê numa intrincada rede que envolve céu, inferno e o apocalipse. O que Alicia, uma garota de dezessete anos, tem a ver com tudo isso? Será que Lúcifer conseguirá atingir o seu intento? Com uma narrativa empolgante, Possuída vai prender você do início ao fim. Mergulhe de cabeça nesse romance sobrenatural que levará você aos céus… Ou ao inferno.
Meus comentários:
Nem preciso dizer que meu tema favorito são anjos, não é mesmo? Por isso, desde que vi a sinopse de Possuída pela primeira vez, fiquei muito ansiosa para lê-lo. Já havia lido a série Sussurro, Fallen e Personal Demons, mas um livro nacional que falasse sobre o tema, apenas o meu mesmo, rs.
Devido a alguns contratempos, só consegui obter meu exemplar de Possuída há pouco mais de um mês, das mãos da própria autora, com dedicatória e autógrafo. Nesse ínterim, tive a oportunidade de ler outros nacionais com esse tema tais como Equinócio da Lu Piras e O Ceifeiro de Al Gomes, ambos publicados pela Editora Dracaena.
O que posso dizer, para começar, é que a revisão e a editoração feitas na obra de Vanessa Bosso foram lastimáveis. A capa, apesar de linda, não tem nada a ver com o conteúdo da história e a revisão deixou escapar muitas coisas.
A história é narrada em primeira pessoa, sob o ponto de vista de diversos personagens, em alguns capítulos quem narra é Alicia, em outros Lucian, em outros Gael e alguns são narrados por personagens “menos importantes” tais como Bento e Elemiah. Isso aliás, foi algo que achei bem interessante, pois conforme mudava o narrador, o estilo de Vanessa também mudava, os capítulos narrados por Alicia possuem uma linguagem mais informal e coloquial que os capítulos narrados pelos anjos.
Julguei uma pena a obra se tratar de um livro apenas, acho que ainda havia muito a ser explorado, que Vanessa poderia ter escrito uma série para Alicia, pois ainda havia muito potencial a ser explorado nos personagens secundários e também sobre todo o universo fantástico criado pela autora.
A leitura flui de maneira fácil, fluida e rápida. É praticamente impossível largar o livro depois de iniciá-lo. Recomendo apenas um cuidado a quem interessar possa: Possuída é um livro escrito para “iniciados” na leitura de Fantasia, pois não se prende muito a longas explanações e elucidações para os “novatos”. Já para os aficionados por anjos como eu, o livro é uma boa pedida, pois possui um embasamento pouco tradicional e um enredo surpreendente.   

outubro 11

Resenha: A culpa é das estrelas

Sinopse: 
A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer – a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.
Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar.

 Meus comentários: 
 Primeiramente, por que fazer uma resenha sobre “A culpa é das estrelas”? Todo mundo já leu e falou tudo o que precisava ser dito sobre esse livro. Bem, foi exatamente por isso que eu acabei por lê-lo. Era tanto comentário, tanto elogio, tantas lágrimas, que eu precisava conferir se o livro era realmente tão bom assim. Dentre as minhas muitas compras na Bienal, acabei adquirindo também esse livro e quando vi na capa o comentário do autor de “A menina que roubava livros”,o meu livro preferido, criei expectativas ainda maiores com relação ao livro. Ao contrário do que se imagina, mesmo os livros que leio com expectativas enormes, acabam por me surpreender e me agradar, portanto, não usarei a desculpa de que eu criara expectativas enormes acerca do livro antes de lê-lo e por isso não gostei, isso seria mentira. E a verdade é que não gostei do livro simplesmente porque não gostei. A leitura é fácil, flui rápido, mas a história é triste DEMAIS. O autor até tenta dar leveza, fluidez e até um certo ar cômico em alguns momentos, mas não dá. A história é pesada demais.Todo mundo comenta que chorou rios ao ler essa história. Eu não chorei porque não consegui me envolver com a história. Até achei interessante alguns pontos que ele levanta sobre a doença e como as pessoas lidam com ela, tanto os doentes quantos os familiares e amigos, mas sério, achei o livro MUITO TRISTE. Minha mãe já dizia: De triste basta a vida. E concordo com ela. Quando leio, é para me distrair das pressões e dos problemas cotidianos. Mas com “A culpa é das estrelas”, só consegui ficar deprimida e me perguntando porquê a vida é tão injusta.

outubro 7

Segunda edição de Limiar

Eis que a segunda edição de Limiar chegou e eu nem tive tempo de compartilhar mais essa conquista com os queridos leitores que acompanham meu trabalho. Peço desculpas e para me redimir, seguem abaixo fotos do lindo trabalho que a Editora Literata fez com meu livro.

Essas são a contracapa e a capa novas:

E essas são a primeira página do livro e à direita, uma mostra de como estão as primeiras páginas de cada capítulo:

A minha preferida, sem dúvida alguma é esta: A ilustração do itapevense Rodrigo Monteiro exatamente no meio do livro. Maravilhosa!

E na semana passada, também chegaram meus novos marcadores de página, seguem a frente e o verso pra vocês verem:

E aí, gostaram das novidades? Eu AMEI!

outubro 4

Você acredita em tudo que seus olhos são capazes de ver?

Olá amigos do blog!
Hoje decidi compartilhar com vocês um pequeno trecho de meu novo livro que estou escrevendo.
Afinal, vocês acreditam em tudo que seus olhos são capazes de ver?

“…O Sumo pontífice caminhou lentamente aproximando-se do microfone.
Com a voz baixa e rouca pronunciou em tom firme que idade ainda lhe permitia enquanto observava os cartazes com palavras de apoio e carinho.
“Queridos amigos. É indescritível a alegria de estar aqui com vocês neste momento em que a Páscoa se aproxima. A Páscoa simboliza a ressurreição e…” – calou-se por alguns segundos. Uma dor lancinante dilacerava o coração ao mesmo tempo em que engolia as palavras junto com respiração.
Olhou mais uma vez para a multidão que o contemplava.
Pobres almas inocentes!
Que Deus os proteja de seus vil algozes.

Despediu-se em silêncio com uma última e breve oração.
Sabia que os espectros eram como abutres vorazes, que se alimentavam da carne e do sangue que ainda sustentavam o velho corpo que por 82 anos lhe servira.
Minha alma será liberta e em breve me juntarei aos meus. – Enfatizou a si mesmo enquanto as mãos pressionavam o peito na tentativa fútil de atenuar uma a dor que tornara-se insuportável.”…

outubro 1

Envelhecer

Envelhecer

Hoje envelheço mais um dia. E daí?

Aprendi em minha vida que os caminhos da aventura podem ferir.

que o verdadeiro sorriso se conquista e junto dele nasce uma lágrima.

Aprendi a inspirar meus sonhos e expirá-los em realidade.

Que cair é igual a se levantar e seguir em frente.

Que o sofrimento é sinônimo de conhecimento e a pior burrice é esconder a verdade.

Aprendi que nenhuma felicidade é eterna e que o dinheiro nenhum pode comprá-la.

Que quando morremos deixamos o conforto junto com o que outrora era intocável.

Aprendi que a paixão desaparece e nem o amor é eterno.

Apenas o tempo é eterno, ainda enquanto dure.

Aprendi que o vento enxuga a lágrima do rosto e não a dor do coração.

Que o jovem um dia irá querer ser velho e que o velho um dia irá querer ser jovem.

Aprendi que em poucos minutos uma decisão errada pode mudar o curso de uma vida.

Aprendi que o inveja é a pior das vaidades, pois nos esquecemos de nós mesmos.

Aprendi que o perfume de uma flor dura para sempre em nossa memória.

Que uma bala depois de disparada, pode matar e isso emocionalmente pode ferir muito mais de uma pessoa.

Que viver é apenas uma gota do oceano da eternidade.

Que sofrer nos faz apreender.

Aprendi que envelhecer é sinal de fragilidade física, mas que a maior fragilidade humana é falta de caráter.

Aprendi que mesmo depois de velho, sentimos falta do colo de nossa mãe e dos conselhos de nosso pai.

Aprendi que chorar não é motivo de vergonha, mas que a maior vergonha é daquele que ri de quem se põe a chorar.

Que a natureza deve ser respeitada.

Que o suor do trabalho honesto constrói a dignidade.

Hoje estou morrendo mais um dia, e daí?

Morrer é como uma criança travessa que se esconde da vida.

Só que pela eternidade.

Hermes M. Lourenço