setembro 26

Resenha: O Ritual de Jéssica Anitelli

            Quero iniciar esta resenha de uma forma um pouco diferente. Todo mundo sabe que eu e a escritora Jéssica Anitelli somos muito amigas, certo? O que vocês não sabem é que eu sou a PIOR leitora beta do mundo e mesmo assim, ela continua confiando em mim e sempre que peço ela me envia seus textos para que eu possa analisá-los antes que sejam publicados. Mas depois de alguns capítulos, acabo desistindo porque prefiro ler livros impressos e falo pra ela: “Leio quando publicar”. Ela sempre responde apenas: “O.K.” E continua sendo minha amiga, rs. Pois então, acontece que com O Ritual, o mesmo sucedeu-se, logo que terminei O Punhal, o primeiro livro da série, pedi a ela que me enviasse o segundo pois estava ansiosa pela continuação, mas como já lhe disse, desisti da leitura na metade porque eu sou uma DROGA  de leitora beta, rs. Na Bienal do Rio de Janeiro, como sempre, dividimos o mesmo quarto de hotel e a primeira coisa que fizemos ao nos encontrar foi “trocar” livros. Dei a ela um exemplar de Abismo e ela me presenteou com um exemplar de O Ritual. Já na viagem de volta, vim lendo-o, a partir do ponto em que parara na versão digitalizada e como a viagem era muuuuuuuuito longa, deu tempo de terminar a história. Em seguida, prometi à Jéssica que logo logo faria resenha e ela, sempre tão compreensiva, ficou esperando pela resenha. E esperou, esperou e esperou. Jéssica, eu te adoro e sei que vai me perdoar pela demora, pois somos BFF, hehehe.

Enfim, vamos à resenha!

Sinopse: 

Será mesmo certo um humano conviver tão próximo ao seu maior predador? Júlia pensava que seu amor por Diogo era maior que tudo e que a partir daquele momento as coisas se ajeitariam e eles, finalmente, poderiam ficar juntos. Será mesmo? O Conselho dos vampiros não deixará a pobre garota em paz, pois ela carrega consigo a maior arma de eliminação da sua espécie. E se não bastasse essa perseguição que a deixa transtornada, há também Marta, que continuará a mexer com as emoções do jovem vampiro de olhos verdes e da menina ruiva. Observando tudo de cima está Henrique, que não abandonará o corpo de seu parente até que o ritual seja realizado e assim possa voltar ao que era há mais de 100 anos. Mas até que isso aconteça, este vampiro que não possui dentro de si nada de humano, causará conflitos e dores. O segundo livro da série promete arrebatar o leitor do começo ao fim e levá-lo a manifestar sentimentos dos mais variados.

Resenha:
O Punhal, foi o primeiro livro de Jéssica, escrito quando ela era ainda adolescente. Lembro-me que quando o li, vi ali uma autora jovem com muito potencial e uma história instigante, algo raro nessa nova seara de novos autores. Depois dele, Jéssica tem trabalhado em diversos livros, e com isso, adquiriu experiência e isso reflete-se muito bem em O Ritual. Um livro com certeza mais maduro, mais denso, mais impactante. O que achei mais interessante foi a forma como ela conduzia a história. Enquanto O Punhal é narrado em terceira pessoa, mas sempre pelo ponto de vista de Diogo, O Ritual também é narrado em terceira pessoa, porém desta vez, pelo ponto de vista da Júlia e em alguns momentos, do ponto de vista de outros personagens, tais como Miguel e Açucena, personagens apresentados neste volume da série. O foco também é um pouco “desviado” do casal protagonista do primeiro volume, pois agora eles tornaram-se parte de algo muito maior, parte de uma conspiração por ressurreição e poder. Novas e misteriosas criaturas  são apresentadas, além de rituais macabros e sinistros. Há ainda o princípio da história de Beatriz, a filha de Diogo e Júlia, que por ser uma “híbrida”, meio humana, meio vampira, é uma ameaça crescente para ambas as raças. 
No primeiro livro, odiei a Júlia, mas neste livro adorei como ela dá um “jeitinho” em sua rival, hahaha. Foi o ponto alto do livro! Ah, quero fazer uma pequena ressalva: Jéssica anda tão empolgada com os livros eróticos que acabou “apimentando” um pouco essa série também, por isso, para quem gosta, vai adorar certos trechos.


 Achei que Nelson perde um pouco a importância neste livro e Henrique também, esperava mais “aparições” dos dois. O grande trunfo do livro é mostrar que apaixonar-se por um vampiro têm lá as suas desvantagens, tais como: passar os dias sozinha,  acordar ao lado de um defunto, tudo é muito mais complicado, doloroso e estranho ao lado dele, enfim, que Crepúsculo é para os fracos, kkkkkkkk.
Recomendo a leitura e só para constar, já estou com O Conselho, o terceiro livro da série, em mãos, só que desta vez, vou terminar de lê-lo antes que seja publicado, afinal, serei sua revisora.

setembro 24

Contos para Refletir.

Olá Amigos do Blog!

Desde que criei o blog a A Arte de Escrever, tenho o intuito de compartilhar com os autores de forma sincera e idônea, tudo sobre o mercado editorial brasileiro.
Bem, ultimamente ando meio sumido, afinal, não vivo só de livros.
As notícias recentes é que meu último livro A Conspiração Vermelha, “momentaneamente” será retirado do mercado até que encontre um novo piso editorial, forte o suficiente para sustentá-lo.
A partir de 17 de outubro irei colocá-lo a venda no formato ebook – no site da Amazon.com, tanto na versão em português bem como a versão inglesa.
A data acima, faz parte de recisões contratuais, portanto até a data referida não haverá divulgações. Todos os links serão direcionados “provisoriamente para o Skoob”.
O mesmo irá acontecer com o livro Faces de um Anjo que também não terá o contrato renovado.
Vocês podem me perguntar, a razão disso tudo.
Como mantenho o compromisso de mante-los atualizados e compartilhar minhas experiências; a razão é que estou a procura de uma editora comercial com maior distribuição, pois recebo inúmeras reclamações de meus leitores que relatam não encontrar meus livros nas livrarias físicas e não se sentem seguros em fazer compras pela internet.
Para melhor atendê-los decidi dar mais esse passo em prol de minha carreira literária.
Continuo escrevendo e com minha inspiração renovada. Lhes asseguro que assim que os livros voltarem as livrarias físicas, vocês serão os primeiros a serem informados.
Enquanto isso, aproveito para apresentar para vocês meu primeiro e-book que está no ar na plataforma da Amazon.com.  Na verdade é um livro de contos, que decidí reuní-los enquanto vocês aguardam pelos livros impressos na nova editora.
O livro se chama Contos para Refletir e traz diversos contos premiados em antologias bem como com ótima apreciação pelos meus queridos confrades da SOBRAMES-MG.
Para quem se interessar basta clicar AQUI.
Desde já um forte abraço a todos e em breve mais novidades!
 
setembro 16

Resenha: Sentimento Fatal

Sinopse – Sentimento Fatal – Janethe Fontes

Por amor se mata? O amor destrói? E o ciúme, pode ou não ser controlado? Sentimento Fatal levará você a pensar nessas questões e rever seus conceitos… todos os seus conceitos em relação ao amor. “Dividida entre a paixão avassaladora do marido Roberto, que tem um ciúme doentio, e o grande amor de infância de Daniel, que ela torna a encontrar dez anos depois, Adriana Diniz Martinez terá de vencer o medo e reencontrar a si mesma… Lutar pela própria integridade e também pela filha Letícia, pela qual é capaz de tudo, sobretudo suportar a violência do marido, sobretudo suportar a própria infelicidade.”

Resenha:

Desde a primeira vez que vi a sinopse deste livro, fiquei com muita vontade de lê-lo. Porém, à época, ele estava esgotado na Editora e eu não conseguia encontrar a autora para ver se haveria a possibilidade de conseguir um exemplar diretamente com ela. Adicionei o livro à minha lista de desejados no skoob, como última esperança de consegui-lo. Passados alguns meses, uma pessoa me procurou, dizendo que tinha o livro e que queria trocá-lo, mas que o mesmo continha uma dedicatória da autora para ela, e se eu não me importava. Se eu me importava? Adoooooro livros com dedicatória mesmo que não sejam pra mim, hehehe. Finalmente recebi o livro e é impossível descrever a felicidade que senti ao finalmente tê-lo em mãos. Me senti um colecionador maluco que acaba de conseguir o item mais raro de sua coleção (bom, talvez seja exatamente isso que eu seja: uma colecionadora maluca de livros, rs)
Em minha longa viagem para o Rio de Janeiro, precisava escolher um bom livro para me acompanhar e distrair-me. Não tive dúvidas e levei na mochila meu tão desejado “Sentimento Fatal”. Ao chegar à cidade maravilhosa, ainda não havia encerrado minha leitura, mas continuei madrugada adentro lendo-o, pois não conseguia largar, ficava repetindo pra mim mesma: só mais esse capítulo. E assim foi até à uma hora da manhã finalizei o livro. E a sensação foi: uau!
Eu não sabia nada, ou pelo menos quase nada, sobre a autora antes de ler o livro. Mas logo no início da leitura, você percebe que trata-se de uma pessoa com profundo conhecimento sobre o assunto, algo que depois acabei descobrindo. A autora não apenas convive, no trabalho cotidianamente com essas situações, como também é um ativista em prol dos direitos femininos. Mais motivos de aplausos pra ela!
É claro que o livro possui alguns traços que denotam tratar-se de uma primeira obra, com algumas pequenas falhas, como por exemplo, demorar-se demais em contar certos episódios do passado a meu ver, desnecessários ou contados de uma forma “estranha”. Mas no geral, os personagens são muito bem construídos, e o enredo, articulado de forma envolvente e brilhante.   
Para mim, um bom livro é aquele que consegue despertar emoções no leitor e “Sentimento Fatal”, o faz com maestria. Você fica com vontade de matar a Adriana, a protagonista, por ser tão burra e aceitar o que ela aceita do marido, o Beto, um crápula machista e possessivo. E o Daniel, apesar de apaixonante, também é um banana, que demora muito para agir. Seguindo na direção contrária do furor de “Cinquenta tons de cinza”, “Sentimento fatal” mostra que apanhar do companheiro por ele ter ciúmes doentio e ser controlador não é nada romântico, nem prazeroso.
A boa notícia é que “Sentimento Fatal” está disponível novamente para compra, bastando acessar o link: http://www.ciadoslivros.com.br/sentimento-fatal-p500700/.
Espero que tenham a oportunidade de saborear essa leitura densa e forte, mas profundamente verdadeira.

setembro 15

Primeiros Passos para se escrever um bom livro.

Olá Amigos do Blog!
O primeiro passo para se escrever um bom livro é ler. Não basta apenas ler, tem que ler muito.
Depois sim, pensar na premissa de sua estória e estudar técnicas para fazê-lo com êxito.
Confesso que, em minhas primeiras publicações eu desconhecia as técnicas de escrita e cometi graves erros que foram utilizados em meu eterno processo de aprendizado. — Afinal, temos que aprender com nossos erros.
Me explico:
Muitos daqueles que se aventuram a escrever o primeiro livro, cometem um erro grave. Colocam uma estória no papel sem ter técnica e acabam publicando com facilidade — isso já foi falado aqui no blog anteriormente.
Com isso surgem uma cascata de problemas que vocês irão compreender a seguir:
Um livro escrito sem conhecimento de técnica, irá já de inicio ser recusado por “boas” editoras. Isso irá frustrar o autor, que não irá compreender por que o “Best-seller” que escreveu foi recusado — digo Best-seller, pois todo autor acredita que seu livro é um Best seller — e isso irá deprimi-lo, bem como colocá-lo numa fase de ansiedade aguda. O segundo passo desse autor, será disparar e-mails metralhadoras para todo tipo de editoras, pois a publicação torna-se uma obsessão: “Tenho que publicar meu livro!”.
Infelizmente temos algumas “editoras” que se aproveitam desse momento e propõe parcerias ou que o autor custeie parcial/ integralmente a publicação — geralmente pequenas tiragens e com má distribuição — cuja preocupação é o lucro — isso acontece na quase maioria das editoras. O fato é que o autor terá o livro publicado.
Pronto. Agora temos um livro mal escrito — pelo desconhecimento de técnicas —, um livro publicado por uma editora que não se preocupa com o autor e sim com o lucro, que na maioria das vezes colocam um livro mal feito no mercado — mal revisado, capa ruim, péssimo acabamento, papel qualidade inferior, impressão má qualidade, diagramação e distribuição que ficam a desejar.
Agora junte tudo isso e coloque num coquetel de lançamento. Muitos dos convidados irão ao coquetel em respeito ao autor e a amizade e por isso irão adquirir o livro, o que alimenta falsas expectativas.
Amigos seguidores. Já li livros, com ótimas premissas — diga-se de passagem, capazes de virar um ótimo roteiro de cinema —, porém, sem esboço, sem construção de cena, ou seja, sem uso dos mínimos recursos de técnica de escrita. Isso destrói o livro e junto com o livro, a imagem do autor, da editora e da literatura nacional como um todo.
Tenho diversos amigos escritores que sempre dizem o mesmo. A falta de técnica de escrita prejudica muito o novo autor, que tem muitas vezes o sonho “explorado” e no final se transforma em pesadelo, resultando em um livro que não terá saída, que terá resenhas negativas em blogs literários — e meus amigos, conheço blogueiros inquisidores vorazes,  que devoram livros e não pesam a mão na hora de digitar as resenhas que por sinal são muito bem elaboradas —, que irá deprimir ainda mais o autor.
Então temos: livro mal escrito, mal publicado, mal distribuído, criticado, editora ruim — Ah! Isso também serve para a editora —, escritor deprimido e com impressão negativa pelos leitores, conceito de literatura nacional ruim.
Agora vocês entendem por que o autor internacional tem mais valor por aqui?
Então o que fazer?
Primeiramente não tenha pressa, estude, leia, participe de cursos e oficinas que prezem e ensinem estas técnicas de escrita, para que você um dia, envie um original dentro dos mínimos parâmetros de qualidade.
Existe inúmeros materiais de escrita literária, mas infelizmente poucos em nosso idioma. Quem tem um pouco de conhecimento de inglês irá encontrar uma diversidade incrível de livros técnicos em inglês , e tome cuidado, pois existem muitos cursos de escrita criativa, que prometem o mundo, mas na verdade, são pequenas amostras dos livros em publicação em língua inglesa — pois lá isso não é nenhuma novidade  que são traduzidas e vendidas a preço de ouro em alguns cursos nacionais de escrita criativa.
Também, não quero generalizar, pois existem muitos livros bons, que não recebem a devida atenção por parte da editora, afinal, investir num novo autor sai caro, e a editora que já o fez, mantém esse autor na linha de frente, liderando a lista dos mais vendidos nacionalmente.
O fato é, não tenha pressa. Persista e lute pelo seu sonho, mas não se esqueça que para isso será necessário muito esforço.
Um exemplo que sempre utilizo é o do motorista. Se você não sabe dirigir e entra em um carro pela primeira vez e quer sair por aí; meu amigo… você sabe que isso resultará em uma catástrofe. O mesmo acontece com as primeiras publicações.
 Então estude, aprenda e transforme a escrita em um passeio que você possa levar seu leitor em uma viagem segura, pelo mundo da imaginação.

Um forte abraço a todos!
setembro 5

 
 
 
Reflexões do dia… kkkkkkk