julho 31

Festa de lançamento de Abismo

Pessoal, sei que já havia anunciado a data e local da festa de lançamento de Abismo, mas venho agora reiterar o convite formalmente, com direito a banner e tudo.

No dia, será possível adquirir exemplares dos livros nos seguintes preços:
Limiar – R$ 30,00
Abismo – R$ 30,00
Limiar + Abismo – preço promocional de R$ 50,00

Haverá brindes, música e artes inspiradas nos livros, além de um delicioso café. Compareçam, prestigiem!
Estarei esperando por vocês!!! 

julho 31

Festa de lançamento de Abismo

Pessoal, sei que já havia anunciado a data e local da festa de lançamento de Abismo, mas venho agora reiterar o convite formalmente, com direito a banner e tudo.

No dia, será possível adquirir exemplares dos livros nos seguintes preços:
Limiar – R$ 30,00
Abismo – R$ 30,00
Limiar + Abismo – preço promocional de R$ 50,00

Haverá brindes, música e artes inspiradas nos livros, além de um delicioso café. Compareçam, prestigiem!
Estarei esperando por vocês!!! 

julho 24

Capa nova de Abismo

Essa história da capa de Abismo já está parecendo novela, rs. Antes que vocês fiquem se perguntando o porquê, venho aqui esclarecer que isso deve-se mais a “chatice” de minha parte que a qualquer outra coisa. Não houveram problemas de direitos autorais ou de imagem como alguns podem presumir, o que de fato houve é que eu quero uma capa realmente perfeita para vocês, leitores. E é nesse intento que solicitei alterações contínuas na capa de Abismo, que a Editora Literata tão atenciosamente atendeu. E foram tantas alterações, que ela acabou sendo totalmente reformulada, agora por outra capista, a talentosíssima Luciana Waack. Analisem o resultado final e me digam se valeu ou não a pena, eu acredito que sim, valeu muito!!!

  Esta nova capa já está na gráfica, portanto, dando tudo certo, no dia do lançamento estarão disponíveis as duas capas para venda, deixando a critério do leitor essa escolha, chique não?

julho 24

Capa nova de Abismo

Essa história da capa de Abismo já está parecendo novela, rs. Antes que vocês fiquem se perguntando o porquê, venho aqui esclarecer que isso deve-se mais a “chatice” de minha parte que a qualquer outra coisa. Não houveram problemas de direitos autorais ou de imagem como alguns podem presumir, o que de fato houve é que eu quero uma capa realmente perfeita para vocês, leitores. E é nesse intento que solicitei alterações contínuas na capa de Abismo, que a Editora Literata tão atenciosamente atendeu. E foram tantas alterações, que ela acabou sendo totalmente reformulada, agora por outra capista, a talentosíssima Luciana Waack. Analisem o resultado final e me digam se valeu ou não a pena, eu acredito que sim, valeu muito!!!

  Esta nova capa já está na gráfica, portanto, dando tudo certo, no dia do lançamento estarão disponíveis as duas capas para venda, deixando a critério do leitor essa escolha, chique não?

julho 15

Problemas Técnicos blogger

                                                Olá amigos do Blog!
Desculpem o período de ausência, mas digamos que minha vida nestes últimos dias foi uma correria.
Para começar havia uma pedra no meio do caminho – um cálculo renal – que tive que removê-lo cirurgicamente, e deu tudo certo; e para variar estou meio que fora do Brasil por alguns dias e se Deus quiser dia 07 de Agosto estou de volta.
Estou tentando responder as perguntas na Aba “Quero escrever um livro e agora”, só que infelizmente não consigo acessar as perguntas mais recentes no através no blog e não tenho como respondê-las através do email, pois não tenho o email do destinatário.
Então, decidi colocar as perguntas recentes que recebo no email aqui neste post e assim vou fazendo sucessivamente até que o blogger resolva o problema – já encaminhei para eles uma reclamação.
Bem, vamos lá:

Michelly Barreto Costa deixou um novo comentário sobre a sua postagem Quero escrever um livro… E agora?“: 

Olá Hermes!

Comecei escrever meu livro. Há principio, tive grandes ideias e estava muito empolgada, mais depois tudo foi sumindo da minha cabeça, nao sabia sobre como colocar minhas ideis no papel, fiquei pensando que talvez esse livro nao fosse chamar atençao dos leitores e resolviescrever sobre outro assunto. Ainda estou pensando no que escrever, gostaria de uma historia como liçao de vida, uma historia sobre o perdao ou algo parecido. Seria uma má ideia escrever um livro assim?

Olá Michele, seja bem-vinda ao blog!
Michele, os livros de autoajuda estão dentro dos livros mais vendidos no Brasil e posso lhe garantir que a briga quase que igualmente com os livros de romance.
Agora lembre-se de que não escrevemos para nós mesmos, e sim para seu público alvo. Portanto, descubra-o e escreva para eles.
Um forte abraço!
Junior Barion deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quero escrever um livro… E agora?“: 

Bom dia.
Uma vez eu ouvi alguém me falando que fez um livro de sua vida, mas não consigo me recordar quem foi, porem a pessoa disse que não foi ela a quem escreveu, mas sim um profissional específico para escrever bibliografias de outras pessoas. (Ex.: Uma pessoa conta toda a história dela para este profissional e ele vai redigir um livro com as informações que a pessoa falou e vai melhorando e acrescentando detalhes conforme o andamento do livro que esta sendo produzido)
Gostaria de saber se você conhece alguém que executa esse tipo de trabalho, pois tenho interesse em fazer um livro, porem não tenho habilidades para escrever, mais sim para narrar fatos e detalhes.
Sem mais. Obrigado. 

Olá Junior Barion, seja bem-vindo ao blog!
Junior, existe sim no mercado internacional – e aos montes -, já no Brasil, são mais escassos esse tipo de profissional, que na verdade é chamado de Ghost Writer, que traduzido nada mais é do que escritor fantasma.
Na verdade o escritor fantasma “escreve” o livro para o contratante, porém, ele abre mão dos direitos autorais que na verdade passam a ser do contratante e assina um contrato de sigilo, na qual ele jamais irá pleitear ou brigar pelo direito do livro que ele escreveu e “vendeu” para o contratante.
Em outras palavras é como se você encomendasse um livro e depois você o publica com seu nome e você assume a autoria pela obra.
Teoricamente, isso apenas é válido como aconteceu com uma “autor” que escreveu um livro sobre um menino bruxo que virou filme de sucesso. Então, o “autor” teve que colocar diversas continuações no mercado livreiro… Logicamente precisou da ajuda do ghost writer, pois ninguém consegue escrever diversas continuações de um livro em um curto espaço de tempo. É obvio que o autor enviou os esboços da estória para o ghost writer e no final conferiu toda a produção.
Espero ter lhe ajudado. Um forte abraço!
Eduardo.M deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quero escrever um livro… E agora?“: 

Socorro! Eu queria uma ajuda. Estou chegando na metade do meu livro e ainda não achei uma editora que se encaichasse nos meus padrões, porque sou de menor e todas elas exigem um autor, que seja independente. Só por duvidas o genero dele é romance, apesar de seu conteudo ser marcado por conflitos. Mas eu tentei colocar em um tumbler, porem minha mãe não gostou da ideia e sem contar que quando passo para a minha página, as folhas do livro no meu site se desorganiza por completo, porque antes o formato era de esquerda e passa para o site que é centralizado, vira aquela confusão. Realmente não sei o que fazer. O máximo é pedir para minha tia, que trabalha em uma editora, entretanto os livros de lá são didáticos, mas capaz que ela conhece outra editora que talvez apoie a ideia. 

Olá Eduardo M, seja bem-vindo ao blog!

Eduardo, sugiro que você registre seu livro na FBN e peça a opinião de seu livro para pessoas de sua confiança – mas que não sejam seus amigos ou parentes, que possam emitir uma opinião crítica e verdadeira sobre o que você escreveu.
Uma ferramenta interessante na internet que permite essa interação é o wattpad.
Após a opinião crítica do seu livro e se ele for viável publicar, então sim, procure uma editora.
Um dos gêneros mais vendidos é romance, ou seja, você fez uma boa escolha.
Um forte abraço!
Rafaah_Princesa deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quero escrever um livro… E agora?“: 

Olá Hermes, meu nome é Rafaella e tenho 16 anos.
Eu despertei uma vontade de escrever um livro e ter a oportunidade de publicá-lo.
Seu post me tirou alguns impecilhos, como a insegurança e o medo do insucesso, mas me colocou algumas dúvidas naturais, nada contra seu post.
Me considero uma pessoa que ama escrever, aprendi com uns 5 anos por aí, e desde então, nunca parei. Amo observar as coisas, como por exemplo o olho quando se contrai e dilata, e gosto de anotar essas coisas. Infelizmente, isso não tem nada a ver com a intenção do meu comentário.
Gostaria de saber a média de dinheiro para publicar um livro. 
Grata 😀

Olá Rafaah seja bem-vinda ao blog!

Rafaah, depois que você vai ficando calejado de tanto escrever, você chega num ponto que não quer mais colocar a mão no bolso para publicar – publicações em parceria.
Recomendo que após terminado seu livro, siga a orientação da resposta anterior e tente encontrar uma editora que publique gratuitamente seu livro e conceda a você seus direitos autorais. Uma nova opção hoje no mercado é o ebook, que sai bem mais em conta do que uma publicação impressa e neste caso também é importante que você seja assessorada por um profissional da área, pois quando colocamos um livro de má qualidade – seja técnica, diagramação, revisão, capa e conteúdo – no mercado, você estará manchando seu nome como escritora e ninguém irá querer ler suas futuras publicações.
Um forte abraço!
Sheila deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quero escrever um livro… E agora?“: 

Oi Hermes, tudo bem? Eu queria saber a sua opinião sobre uma história que eu pensei, e não tenho coragem de perguntar pra mais ninguém rs. Tentando resumir ao máximo: uma mulher, digamos Maria, está devendo muito dinheiro para uma agiota, devido a tentativas de fazer sua recém desfeita banda emplacar. Um dia, sua tia, dona de uma boate, recebe uma mulher, digamos Vera, que procura uma conhecida que trabalhava na boate, e descobre que ela viajou; ela pergunta então sobre outras mulheres da boate que estariam interessadas em ganhar um dinheiro rápido e fácil, mas não podiam ter marido nem filhos – e nem pudor. Maria ouve e se oferece. Elas conversam, e Vera diz que quer uma amante para seu marido, que já a trai sempre que viaja; além disso, reclama de sua insensibilidade e frieza. Tudo para manchar a imagem dele perante a mídia antes do divórcio, que já é tido como certo, como uma forma de vingança, já que ele é um dos donos de uma fábrica de bebidas – ela ficaria como a traída e ele como o “safado”. Maria chega na casa do casal como sendo uma amiga de infância de Vera, que se mudou para a cidade e aceitou o convite de passar alguns dias com ela até o “apartamento de Maria ficar pronto”. Tudo será feito de modo a parecer que o cara é o “malvado” da história, mas na verdade, ele sofre com o desaparecimento da filha adolescente, que já é dada como morta. Maria e ele acabam se apaixonando, e impulsiona-o ainda mais a se separar, já que ele não suporta mais Vera. Massss, na verdade, o irmão do marido de Vera é quem está por trás da “contratação” do serviço de Maria; ele, que sempre foi o “pior” dos irmãos, quer manchar a imagem do irmão a ponto de poder incriminá-lo por um desfalque na empresa cuja direção divide com ele. Ele e Vera possuem um acordo: como ele descobre que ela é a responsável pelo desaparecimento da enteada, força-a a auxiliar em seus planos. Enquanto isso, Maria e o cara já estão no maior “love”, e ele já decidiu se separar de Vera. Contudo, algo inesperado acontece: Maria vai parar no hospital, agredida pelo agiota a quem devia dinheiro, e lá descobre-se que ela está grávida. O filho é fruto de um namoro que Maria havia recém terminado, mas Vera se aproveita da situação e dá um jeito de parecer que o filho é de seu “futuro ex-marido”… E o cara descobre o antigo plano de Maria e Vera, e se decepciona com Maria… E continuam as investigações sobre o desaparecimento da garota… etc.
Isso que eu disse que ia ser resumido rs. Mas não tinha como simplificar mais. Acha que é uma história cabível? Possível de dar certo? O conflito não é muito centralizado, sei lá, mas cismei de escrever algo assim. Eu não penso no clímax da história como sendo a descoberta do marido da Vera sobre o plano com Maria, mas como sendo a descoberta sobre o desaparecimento da filha… que aliás, eu pensaria em não “matá-la”, mas sim, ter sido mantida pelo irmão do cara, já que ele tinha uma “tara” pela primeira “cunhada”, e como a menina era parecidíssima com a falecida mãe, atraía-o bastante, e ele a manteve como escrava sexual ou algo do tipo rs.. Só não sei como eu faria isso ainda, já que a responsável pelo desaparecimento dela ainda era a Vera, que aliás, pensava que a menina tivesse morrido… enfim enfim enfim… rs
Desculpe pela extensão do comentário! 😡
Obrigada, e meus parabéns pelo seu blog! Sempre venho aqui quando me sinto perdida nesse mundo da escrita! rs

Abraço! 
 Olá Sheila, seja bem-vinda ao blog!
Sheila, a premissa de sua história é muito boa, porém ao ler você percebe que está muito confuso, por isso você não está conseguindo dar continuidade a sua estória.
Para isso colocar ordem no caos, primeiramente devemos criar a premissa.
Exemplo:
Uma mulher humana se apaixona por um vampiro e resolvem se casar, contrariando as leis do vampiro em prol do amor verdadeiro.
Se você pensou em crepúsculo, parabéns, você acertou.
Com a premissa em mãos, iremos criar nosso protagonista e responder a pergunta: Qual é o grande objetivo monumental de seu protagonista e o que ele irá fazer para alcança-lo.
Desenhado o protagonista, você irá criar o vilão, ou seja o antagonista e irá responder a pergunta: O que que seu antagonista/vilão irá fazer para impedir que seu protagonista atinja o objetivo principal.
Com isso, você irá escrever a sinopse de sua estória – depois irá criar o cenário e linha temporal.
A sinopse não pode ter mais do que 20 linhas e então com a sinópse pronta, você irá criar os esboços – preste atenção que usei o plural, pois cada esboço você terá que avaliar a linha temporal e cenário.
Após tudo isso, revise, e então começe a escrever as primeiras cenas e finalmente seu livro.
Após o livro pronto, bem, aí é outra estória.
Espero ter lhe ajudado.
Um forte abraço!
Pr. Elizandro deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quero escrever um livro… E agora?“: 

Coisa boa é esse seu empenho em mostrar que somos capazes se aventurar em escrever um livro, falando de mim, creio que somos parentes, meu nome é Elizandro Lourenço da Silva, bom mais não é isso que estou procurando nos seus comentários, minha primeira questão é, começamos de fato no capitulo 1° ou temos que ter uma ideia geral de todos os capítulos antes de começar ?

 Olá Pr. Elizandro, seja bem-vindo ao blog!
Elizandro, uma estória nada mais é do que uma sucessão de cenas. Há quem utilize dos recursos de ao final de um conjunto de cenas que finalizem um elo da história, ele nomeie como capítulo.
Eu particularmente não uso o recurso de capitulos, prefiro deixá-los para os livros técnicos ou tratados.
Autores com Dan Brown, Harlan Coben, apenas trabalham com cenas, numerando-as no decorrer da estória. Eu particularmente prefiro adotar o mesmo modelo.
Espero ter lhe ajudado.
Um forte abraço!

julho 15

Problemas Técnicos blogger

                                                Olá amigos do Blog!
Desculpem o período de ausência, mas digamos que minha vida nestes últimos dias foi uma correria.
Para começar havia uma pedra no meio do caminho – um cálculo renal – que tive que removê-lo cirurgicamente, e deu tudo certo; e para variar estou meio que fora do Brasil por alguns dias e se Deus quiser dia 07 de Agosto estou de volta.
Estou tentando responder as perguntas na Aba “Quero escrever um livro e agora”, só que infelizmente não consigo acessar as perguntas mais recentes no através no blog e não tenho como respondê-las através do email, pois não tenho o email do destinatário.
Então, decidi colocar as perguntas recentes que recebo no email aqui neste post e assim vou fazendo sucessivamente até que o blogger resolva o problema – já encaminhei para eles uma reclamação.
Bem, vamos lá:

Michelly Barreto Costa deixou um novo comentário sobre a sua postagem Quero escrever um livro… E agora?“: 

Olá Hermes!

Comecei escrever meu livro. Há principio, tive grandes ideias e estava muito empolgada, mais depois tudo foi sumindo da minha cabeça, nao sabia sobre como colocar minhas ideis no papel, fiquei pensando que talvez esse livro nao fosse chamar atençao dos leitores e resolviescrever sobre outro assunto. Ainda estou pensando no que escrever, gostaria de uma historia como liçao de vida, uma historia sobre o perdao ou algo parecido. Seria uma má ideia escrever um livro assim?

Olá Michele, seja bem-vinda ao blog!
Michele, os livros de autoajuda estão dentro dos livros mais vendidos no Brasil e posso lhe garantir que a briga quase que igualmente com os livros de romance.
Agora lembre-se de que não escrevemos para nós mesmos, e sim para seu público alvo. Portanto, descubra-o e escreva para eles.
Um forte abraço!
Junior Barion deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quero escrever um livro… E agora?“: 

Bom dia.
Uma vez eu ouvi alguém me falando que fez um livro de sua vida, mas não consigo me recordar quem foi, porem a pessoa disse que não foi ela a quem escreveu, mas sim um profissional específico para escrever bibliografias de outras pessoas. (Ex.: Uma pessoa conta toda a história dela para este profissional e ele vai redigir um livro com as informações que a pessoa falou e vai melhorando e acrescentando detalhes conforme o andamento do livro que esta sendo produzido)
Gostaria de saber se você conhece alguém que executa esse tipo de trabalho, pois tenho interesse em fazer um livro, porem não tenho habilidades para escrever, mais sim para narrar fatos e detalhes.
Sem mais. Obrigado. 

Olá Junior Barion, seja bem-vindo ao blog!
Junior, existe sim no mercado internacional – e aos montes -, já no Brasil, são mais escassos esse tipo de profissional, que na verdade é chamado de Ghost Writer, que traduzido nada mais é do que escritor fantasma.
Na verdade o escritor fantasma “escreve” o livro para o contratante, porém, ele abre mão dos direitos autorais que na verdade passam a ser do contratante e assina um contrato de sigilo, na qual ele jamais irá pleitear ou brigar pelo direito do livro que ele escreveu e “vendeu” para o contratante.
Em outras palavras é como se você encomendasse um livro e depois você o publica com seu nome e você assume a autoria pela obra.
Teoricamente, isso apenas é válido como aconteceu com uma “autor” que escreveu um livro sobre um menino bruxo que virou filme de sucesso. Então, o “autor” teve que colocar diversas continuações no mercado livreiro… Logicamente precisou da ajuda do ghost writer, pois ninguém consegue escrever diversas continuações de um livro em um curto espaço de tempo. É obvio que o autor enviou os esboços da estória para o ghost writer e no final conferiu toda a produção.
Espero ter lhe ajudado. Um forte abraço!
Eduardo.M deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quero escrever um livro… E agora?“: 

Socorro! Eu queria uma ajuda. Estou chegando na metade do meu livro e ainda não achei uma editora que se encaichasse nos meus padrões, porque sou de menor e todas elas exigem um autor, que seja independente. Só por duvidas o genero dele é romance, apesar de seu conteudo ser marcado por conflitos. Mas eu tentei colocar em um tumbler, porem minha mãe não gostou da ideia e sem contar que quando passo para a minha página, as folhas do livro no meu site se desorganiza por completo, porque antes o formato era de esquerda e passa para o site que é centralizado, vira aquela confusão. Realmente não sei o que fazer. O máximo é pedir para minha tia, que trabalha em uma editora, entretanto os livros de lá são didáticos, mas capaz que ela conhece outra editora que talvez apoie a ideia. 

Olá Eduardo M, seja bem-vindo ao blog!

Eduardo, sugiro que você registre seu livro na FBN e peça a opinião de seu livro para pessoas de sua confiança – mas que não sejam seus amigos ou parentes, que possam emitir uma opinião crítica e verdadeira sobre o que você escreveu.
Uma ferramenta interessante na internet que permite essa interação é o wattpad.
Após a opinião crítica do seu livro e se ele for viável publicar, então sim, procure uma editora.
Um dos gêneros mais vendidos é romance, ou seja, você fez uma boa escolha.
Um forte abraço!
Rafaah_Princesa deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quero escrever um livro… E agora?“: 

Olá Hermes, meu nome é Rafaella e tenho 16 anos.
Eu despertei uma vontade de escrever um livro e ter a oportunidade de publicá-lo.
Seu post me tirou alguns impecilhos, como a insegurança e o medo do insucesso, mas me colocou algumas dúvidas naturais, nada contra seu post.
Me considero uma pessoa que ama escrever, aprendi com uns 5 anos por aí, e desde então, nunca parei. Amo observar as coisas, como por exemplo o olho quando se contrai e dilata, e gosto de anotar essas coisas. Infelizmente, isso não tem nada a ver com a intenção do meu comentário.
Gostaria de saber a média de dinheiro para publicar um livro. 
Grata 😀

Olá Rafaah seja bem-vinda ao blog!

Rafaah, depois que você vai ficando calejado de tanto escrever, você chega num ponto que não quer mais colocar a mão no bolso para publicar – publicações em parceria.
Recomendo que após terminado seu livro, siga a orientação da resposta anterior e tente encontrar uma editora que publique gratuitamente seu livro e conceda a você seus direitos autorais. Uma nova opção hoje no mercado é o ebook, que sai bem mais em conta do que uma publicação impressa e neste caso também é importante que você seja assessorada por um profissional da área, pois quando colocamos um livro de má qualidade – seja técnica, diagramação, revisão, capa e conteúdo – no mercado, você estará manchando seu nome como escritora e ninguém irá querer ler suas futuras publicações.
Um forte abraço!
Sheila deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quero escrever um livro… E agora?“: 

Oi Hermes, tudo bem? Eu queria saber a sua opinião sobre uma história que eu pensei, e não tenho coragem de perguntar pra mais ninguém rs. Tentando resumir ao máximo: uma mulher, digamos Maria, está devendo muito dinheiro para uma agiota, devido a tentativas de fazer sua recém desfeita banda emplacar. Um dia, sua tia, dona de uma boate, recebe uma mulher, digamos Vera, que procura uma conhecida que trabalhava na boate, e descobre que ela viajou; ela pergunta então sobre outras mulheres da boate que estariam interessadas em ganhar um dinheiro rápido e fácil, mas não podiam ter marido nem filhos – e nem pudor. Maria ouve e se oferece. Elas conversam, e Vera diz que quer uma amante para seu marido, que já a trai sempre que viaja; além disso, reclama de sua insensibilidade e frieza. Tudo para manchar a imagem dele perante a mídia antes do divórcio, que já é tido como certo, como uma forma de vingança, já que ele é um dos donos de uma fábrica de bebidas – ela ficaria como a traída e ele como o “safado”. Maria chega na casa do casal como sendo uma amiga de infância de Vera, que se mudou para a cidade e aceitou o convite de passar alguns dias com ela até o “apartamento de Maria ficar pronto”. Tudo será feito de modo a parecer que o cara é o “malvado” da história, mas na verdade, ele sofre com o desaparecimento da filha adolescente, que já é dada como morta. Maria e ele acabam se apaixonando, e impulsiona-o ainda mais a se separar, já que ele não suporta mais Vera. Massss, na verdade, o irmão do marido de Vera é quem está por trás da “contratação” do serviço de Maria; ele, que sempre foi o “pior” dos irmãos, quer manchar a imagem do irmão a ponto de poder incriminá-lo por um desfalque na empresa cuja direção divide com ele. Ele e Vera possuem um acordo: como ele descobre que ela é a responsável pelo desaparecimento da enteada, força-a a auxiliar em seus planos. Enquanto isso, Maria e o cara já estão no maior “love”, e ele já decidiu se separar de Vera. Contudo, algo inesperado acontece: Maria vai parar no hospital, agredida pelo agiota a quem devia dinheiro, e lá descobre-se que ela está grávida. O filho é fruto de um namoro que Maria havia recém terminado, mas Vera se aproveita da situação e dá um jeito de parecer que o filho é de seu “futuro ex-marido”… E o cara descobre o antigo plano de Maria e Vera, e se decepciona com Maria… E continuam as investigações sobre o desaparecimento da garota… etc.
Isso que eu disse que ia ser resumido rs. Mas não tinha como simplificar mais. Acha que é uma história cabível? Possível de dar certo? O conflito não é muito centralizado, sei lá, mas cismei de escrever algo assim. Eu não penso no clímax da história como sendo a descoberta do marido da Vera sobre o plano com Maria, mas como sendo a descoberta sobre o desaparecimento da filha… que aliás, eu pensaria em não “matá-la”, mas sim, ter sido mantida pelo irmão do cara, já que ele tinha uma “tara” pela primeira “cunhada”, e como a menina era parecidíssima com a falecida mãe, atraía-o bastante, e ele a manteve como escrava sexual ou algo do tipo rs.. Só não sei como eu faria isso ainda, já que a responsável pelo desaparecimento dela ainda era a Vera, que aliás, pensava que a menina tivesse morrido… enfim enfim enfim… rs
Desculpe pela extensão do comentário! 😡
Obrigada, e meus parabéns pelo seu blog! Sempre venho aqui quando me sinto perdida nesse mundo da escrita! rs

Abraço! 
 Olá Sheila, seja bem-vinda ao blog!
Sheila, a premissa de sua história é muito boa, porém ao ler você percebe que está muito confuso, por isso você não está conseguindo dar continuidade a sua estória.
Para isso colocar ordem no caos, primeiramente devemos criar a premissa.
Exemplo:
Uma mulher humana se apaixona por um vampiro e resolvem se casar, contrariando as leis do vampiro em prol do amor verdadeiro.
Se você pensou em crepúsculo, parabéns, você acertou.
Com a premissa em mãos, iremos criar nosso protagonista e responder a pergunta: Qual é o grande objetivo monumental de seu protagonista e o que ele irá fazer para alcança-lo.
Desenhado o protagonista, você irá criar o vilão, ou seja o antagonista e irá responder a pergunta: O que que seu antagonista/vilão irá fazer para impedir que seu protagonista atinja o objetivo principal.
Com isso, você irá escrever a sinopse de sua estória – depois irá criar o cenário e linha temporal.
A sinopse não pode ter mais do que 20 linhas e então com a sinópse pronta, você irá criar os esboços – preste atenção que usei o plural, pois cada esboço você terá que avaliar a linha temporal e cenário.
Após tudo isso, revise, e então começe a escrever as primeiras cenas e finalmente seu livro.
Após o livro pronto, bem, aí é outra estória.
Espero ter lhe ajudado.
Um forte abraço!
Pr. Elizandro deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quero escrever um livro… E agora?“: 

Coisa boa é esse seu empenho em mostrar que somos capazes se aventurar em escrever um livro, falando de mim, creio que somos parentes, meu nome é Elizandro Lourenço da Silva, bom mais não é isso que estou procurando nos seus comentários, minha primeira questão é, começamos de fato no capitulo 1° ou temos que ter uma ideia geral de todos os capítulos antes de começar ?

 Olá Pr. Elizandro, seja bem-vindo ao blog!
Elizandro, uma estória nada mais é do que uma sucessão de cenas. Há quem utilize dos recursos de ao final de um conjunto de cenas que finalizem um elo da história, ele nomeie como capítulo.
Eu particularmente não uso o recurso de capitulos, prefiro deixá-los para os livros técnicos ou tratados.
Autores com Dan Brown, Harlan Coben, apenas trabalham com cenas, numerando-as no decorrer da estória. Eu particularmente prefiro adotar o mesmo modelo.
Espero ter lhe ajudado.
Um forte abraço!

julho 14

Abismo chegou!!!

Na quinta-feira de manhã, estava eu dormindo bem tranquilamente quando meus cachorros começaram a latir e em seguida a campainha soou. Pensei comigo: “É o livro, o livro chegou!” Levantei correndo, com a cara amassada, quase atropelei o marido que apalermado saía do banheiro e ainda de pijama, corri para o portão, dando pulos de alegria quando vi que realmente se tratava de Abismo que havia chegado, fresquinho, recém saído da gráfica! Pareceu uma eternidade o tempo que levei para assinar os papéis e finalmente entrar em casa com a caixa de livros! Coração aos pulos, sem fôlego, abri a caixa e como acontecera com Limiar um ano antes, foi uma emoção segurá-lo em minhas mãos! Acho que não importa quantos livros você publique, a emoção sempre será a mesma. Folheando-o, pude ver que linda ficou a diagramação que a Editora Literata fez, um verdadeiro show! Troquei de roupa e imediatamente tirei uma foto para compartilhar minha alegria pelo face e demais redes sociais.

Reparem na cara inchada de quem acabou de acordar, rs. Até pensei em tirar uma foto melhor depois, mas sei lá, acho que essa “capturou” bem a alegria do momento. Depois disso, foi um corre-corre, levei para todos os familiares, amigos e leitores conhecidos poderem ver o quanto o livro ficou bonito! Aproveitei e já marquei a data da festa de lançamento: será dia 15 de agosto às 20 hs no auditório Haru Izumi, ao lado da escola Dom Silvio, no calçadão, na cidade de Itapeva. Mas se você não quer esperar até lá para ter seu exemplar autografado, entre em contato comigo pelo e-mail elainevelascoautora@gmail.com e aproveite o preço de pré-lançamento: R$ 25,00 e se você ainda não tem o primeiro exemplar da série, Limiar – Entre o céu e o inferno, aproveite para adquirir os dois pelo preço promocional de R$ 50,00!
 

julho 14

Abismo chegou!!!

Na quinta-feira de manhã, estava eu dormindo bem tranquilamente quando meus cachorros começaram a latir e em seguida a campainha soou. Pensei comigo: “É o livro, o livro chegou!” Levantei correndo, com a cara amassada, quase atropelei o marido que apalermado saía do banheiro e ainda de pijama, corri para o portão, dando pulos de alegria quando vi que realmente se tratava de Abismo que havia chegado, fresquinho, recém saído da gráfica! Pareceu uma eternidade o tempo que levei para assinar os papéis e finalmente entrar em casa com a caixa de livros! Coração aos pulos, sem fôlego, abri a caixa e como acontecera com Limiar um ano antes, foi uma emoção segurá-lo em minhas mãos! Acho que não importa quantos livros você publique, a emoção sempre será a mesma. Folheando-o, pude ver que linda ficou a diagramação que a Editora Literata fez, um verdadeiro show! Troquei de roupa e imediatamente tirei uma foto para compartilhar minha alegria pelo face e demais redes sociais.

Reparem na cara inchada de quem acabou de acordar, rs. Até pensei em tirar uma foto melhor depois, mas sei lá, acho que essa “capturou” bem a alegria do momento. Depois disso, foi um corre-corre, levei para todos os familiares, amigos e leitores conhecidos poderem ver o quanto o livro ficou bonito! Aproveitei e já marquei a data da festa de lançamento: será dia 15 de agosto às 20 hs no auditório Haru Izumi, ao lado da escola Dom Silvio, no calçadão, na cidade de Itapeva. Mas se você não quer esperar até lá para ter seu exemplar autografado, entre em contato comigo pelo e-mail elainevelascoautora@gmail.com e aproveite o preço de pré-lançamento: R$ 25,00 e se você ainda não tem o primeiro exemplar da série, Limiar – Entre o céu e o inferno, aproveite para adquirir os dois pelo preço promocional de R$ 50,00!
 

julho 10

Um ano de Limiar!!!

                Faltam poucos dias para que Limiar complete um ano de sua publicação e nesse meio tempo, muita coisa aconteceu e é impossível detalhar o tanto que aprendi com  essa minha primeira obra. Hoje sou uma pessoa totalmente diferente daquela que publicou seu primeiro livro há exatos doze meses.
            Devo confessar que quando escrevi Limiar, estava muito “por fora” do mercado nacional. Não sabia exatamente quais eram as tendências, há muito não lia um escritor brasileiro. Eu escrevi sobre um tema que me agradava, dirigido ao público jovem, com quem, enquanto professora, eu trabalho diariamente e com quem muito me identifico. Pensei em escrever uma história que atraísse aqueles meus alunos que não gostavam de ler ou ainda aqueles que nunca haviam tido contato com Literatura Fantástica, por isso, construí uma história bem “didática”, para iniciar os leigos nesse campo, também ambientei o romance em minha cidade, com vistas a despertar melhor empatia nesses jovens. Publicar em escala nacional jamais havia me ocorrido. Eu pretendia tão somente ser a escritora regional que minha cidade já não tem mais há muitos anos, queria ser a itapevense que escreve para itapevenses, e só.
Nunca havia tido contato com Editoras, não tinha conhecimento de como isso funcionava, por isso, comecei a pesquisar na internet por Editoras que aceitassem originais de novos escritores. Encontrei seis e enviei minha história para apreciação. Obtive resposta positiva de duas delas e embora eu tivesse consciência de que teria que desembolsar algum dinheiro para ver meu sonho realizado, não tinha noção do quanto teria que gastar. E foi uma soma considerável. Aperta aqui, aperta ali, consegui pagar a quantia que me foi pedida. A partir daí, foi só ansiedade. Nesse momento, contei à minha família e aos amigos sobre o livro e todos passaram a acompanhar passo a passo a publicação. A capa, a revisão, a diagramação. De minha parte, não conseguia mais dormir, nem comer, só aguardando pelo dia que finalmente teria Limiar em minhas mãos!
Nesse ínterim, comecei a ter contato com outros escritores iniciantes como eu, também com blogueiros literários e nessa época também criei meu blog. Ao contrário da maioria de meus colegas de letras, esse era um mundo totalmente desconhecido para mim. Sempre morei no interior, nunca havia ido a eventos literários, não fazia parte da blogesfera, jamais havia conhecido um autor pessoalmente, nunca tive um livro autografado. Decidi tirar o atraso: passei a comparecer a diversos eventos literários, palestras, cursos, workshops e acabei conhecendo muita gente legal, que se tornaram amigos queridos e parceiros inestimáveis.
Também decidi investir seriamente em minha carreira como escritora e iniciei a Faculdade de Letras, um sonho que fora acalentado por muitos anos. Passei a ler muita obra nacional, de André Vianco a autores menos ilustres, e assim pude me inteirar mais do mercado brasileiro. Apurei meu olhar de leitora e passei a aprender com os erros e acertos dos outros, além dos meus próprios. Também me dediquei a ler mais livros que seguiam a mesma “linha” do meu, para conhecer o que já há no mercado, para tentar fazer algo realmente original.
Após seis meses de preparação, finalmente Limiar foi publicado numa Festa de Lançamento linda, onde compareceram todos os meus amigos e familiares queridos, além de alunos e demais membros da comunidade. Deu um friozinho na barriga, por saber que finalmente meu livro seria lido, mas a isso somava-se uma felicidade indescritível, afinal, tudo o que um escritor mais quer é compartilhar sua história com o maior número de pessoas possível e saber que reação ela provoca. Aguardei ansiosa as primeiras impressões e graças a Deus, elas foram todas positivas. Para minha surpresa, logo começaram a surgir leitores de todo o país, interessados em minha história, e o que pretendia ser apenas um livro regional, ultrapassou fronteiras e chegou ao nordeste, ao centro-sul, até mesmo no exterior.
Aproveitei todas as dicas, sugestões e críticas que o livro angariou, filtrei e fui trabalhando em Abismo, o segundo livro da série, um livro com certeza mais maduro, onde procurei aplicar todo o conhecimento que adquiri neste ano. Com a sua finalização, consegui uma nova editora, e começamos a trabalhar no processo de publicação desta obra, com a qual continuei aprendendo muito e que já tem me feito perder o sono certas noites, ansiosa por sua publicação. Acho que não tem jeito, o lançamento de uma nova obra sempre será fonte de alegria, prazer e ansiedade para seu autor.
E no dia de ontem, enquanto eu finalizava este texto, a Editora Literata decidiu me dar um presente para comemorar o aniversário de Limiar em grande estilo: será lançado uma segunda edição, com nova capa e diagramação agora por esta “casa” que me acolheu tão bem desde o princípio. E lá se vão mais noite insones, repletas de… felicidade!!!
Acesse: elainevelasco.blogspot.com.br

julho 10

Um ano de Limiar!!!

                Faltam poucos dias para que Limiar complete um ano de sua publicação e nesse meio tempo, muita coisa aconteceu e é impossível detalhar o tanto que aprendi com  essa minha primeira obra. Hoje sou uma pessoa totalmente diferente daquela que publicou seu primeiro livro há exatos doze meses.
            Devo confessar que quando escrevi Limiar, estava muito “por fora” do mercado nacional. Não sabia exatamente quais eram as tendências, há muito não lia um escritor brasileiro. Eu escrevi sobre um tema que me agradava, dirigido ao público jovem, com quem, enquanto professora, eu trabalho diariamente e com quem muito me identifico. Pensei em escrever uma história que atraísse aqueles meus alunos que não gostavam de ler ou ainda aqueles que nunca haviam tido contato com Literatura Fantástica, por isso, construí uma história bem “didática”, para iniciar os leigos nesse campo, também ambientei o romance em minha cidade, com vistas a despertar melhor empatia nesses jovens. Publicar em escala nacional jamais havia me ocorrido. Eu pretendia tão somente ser a escritora regional que minha cidade já não tem mais há muitos anos, queria ser a itapevense que escreve para itapevenses, e só.
Nunca havia tido contato com Editoras, não tinha conhecimento de como isso funcionava, por isso, comecei a pesquisar na internet por Editoras que aceitassem originais de novos escritores. Encontrei seis e enviei minha história para apreciação. Obtive resposta positiva de duas delas e embora eu tivesse consciência de que teria que desembolsar algum dinheiro para ver meu sonho realizado, não tinha noção do quanto teria que gastar. E foi uma soma considerável. Aperta aqui, aperta ali, consegui pagar a quantia que me foi pedida. A partir daí, foi só ansiedade. Nesse momento, contei à minha família e aos amigos sobre o livro e todos passaram a acompanhar passo a passo a publicação. A capa, a revisão, a diagramação. De minha parte, não conseguia mais dormir, nem comer, só aguardando pelo dia que finalmente teria Limiar em minhas mãos!
Nesse ínterim, comecei a ter contato com outros escritores iniciantes como eu, também com blogueiros literários e nessa época também criei meu blog. Ao contrário da maioria de meus colegas de letras, esse era um mundo totalmente desconhecido para mim. Sempre morei no interior, nunca havia ido a eventos literários, não fazia parte da blogesfera, jamais havia conhecido um autor pessoalmente, nunca tive um livro autografado. Decidi tirar o atraso: passei a comparecer a diversos eventos literários, palestras, cursos, workshops e acabei conhecendo muita gente legal, que se tornaram amigos queridos e parceiros inestimáveis.
Também decidi investir seriamente em minha carreira como escritora e iniciei a Faculdade de Letras, um sonho que fora acalentado por muitos anos. Passei a ler muita obra nacional, de André Vianco a autores menos ilustres, e assim pude me inteirar mais do mercado brasileiro. Apurei meu olhar de leitora e passei a aprender com os erros e acertos dos outros, além dos meus próprios. Também me dediquei a ler mais livros que seguiam a mesma “linha” do meu, para conhecer o que já há no mercado, para tentar fazer algo realmente original.
Após seis meses de preparação, finalmente Limiar foi publicado numa Festa de Lançamento linda, onde compareceram todos os meus amigos e familiares queridos, além de alunos e demais membros da comunidade. Deu um friozinho na barriga, por saber que finalmente meu livro seria lido, mas a isso somava-se uma felicidade indescritível, afinal, tudo o que um escritor mais quer é compartilhar sua história com o maior número de pessoas possível e saber que reação ela provoca. Aguardei ansiosa as primeiras impressões e graças a Deus, elas foram todas positivas. Para minha surpresa, logo começaram a surgir leitores de todo o país, interessados em minha história, e o que pretendia ser apenas um livro regional, ultrapassou fronteiras e chegou ao nordeste, ao centro-sul, até mesmo no exterior.
Aproveitei todas as dicas, sugestões e críticas que o livro angariou, filtrei e fui trabalhando em Abismo, o segundo livro da série, um livro com certeza mais maduro, onde procurei aplicar todo o conhecimento que adquiri neste ano. Com a sua finalização, consegui uma nova editora, e começamos a trabalhar no processo de publicação desta obra, com a qual continuei aprendendo muito e que já tem me feito perder o sono certas noites, ansiosa por sua publicação. Acho que não tem jeito, o lançamento de uma nova obra sempre será fonte de alegria, prazer e ansiedade para seu autor.
E no dia de ontem, enquanto eu finalizava este texto, a Editora Literata decidiu me dar um presente para comemorar o aniversário de Limiar em grande estilo: será lançado uma segunda edição, com nova capa e diagramação agora por esta “casa” que me acolheu tão bem desde o princípio. E lá se vão mais noite insones, repletas de… felicidade!!!
Acesse: elainevelasco.blogspot.com.br