junho 27

 
 
 
 
 
 
 
 
Sob a inspiração de Borges
 
  A rua é devassada e é devassa.
  A luz no interior da casa
  A ela se contrapõe
Com um silêncio em tudo,
Por onde o homem passa.
Os livros tranqüilizam o mundo,
Assim falava Borges diante
Da biblioteca invisível
Cuja cegueira acariciava
Livro a livro,
A palavra humana.
Borges está no homem
Que manuseia os livros
Com a deferência de
Um nobre diante de seu rei.
Borges guia o homem
Em seu trajeto,
E cada livro perdido,
Mendigo, expropriado,
É trazido à calma
Das estantes
Quando por fim
É serenado.
 

                        Eulàlia Jordà-Poblet


junho 27

 
 
 
 
 
 
 
 
Sob a inspiração de Borges
 
  A rua é devassada e é devassa.
  A luz no interior da casa
  A ela se contrapõe
Com um silêncio em tudo,
Por onde o homem passa.
Os livros tranqüilizam o mundo,
Assim falava Borges diante
Da biblioteca invisível
Cuja cegueira acariciava
Livro a livro,
A palavra humana.
Borges está no homem
Que manuseia os livros
Com a deferência de
Um nobre diante de seu rei.
Borges guia o homem
Em seu trajeto,
E cada livro perdido,
Mendigo, expropriado,
É trazido à calma
Das estantes
Quando por fim
É serenado.
 

                        Eulàlia Jordà-Poblet