março 24

Evento Sintonia Literária Bh – Shopping


Olá amigos do blog!

Hoje trago para vocês algumas fotos do evento no BH Shopping com o Sintonia Literária – grupo de autores e blogueiros da qual eu faço parte -, onde se reuniram os autores: Ledinilson Moreira que é autor do livro Portais e seu mais novo lançamento Recomeço – Em breve resenha aqui – e a autora Eliane Raye, autora do Livro O Portal.
Foi uma tarde interessante, marcada pela hospitalidade da livraria Leitura – Bh Shopping – em especial ao Vicente, uma pessoa maravilhosa e que valoriza nossa literatura – e a queridíssima Paola Patrício – amiga, jornalista e editora do blog Plantão On-line.
Foi uma tarde interessante, onde infelizmente alguns autores do Sintonia não puderam participar por estarem envoltos em outros compromissos.
De qualquer forma compartilho com vocês algumas fotos dessa tarde especial.
Um forte abraço a todos!




Autores da esquerda para a direita: Hermes M. Loureço, Eliane Raye e Ledinilson Moreira.





Eliane Raye e Paola Patrício

Eu e meu exemplar do Livro Recomeço

Eu e minha querida esposa, Erika.

                                  Eu e meus filhotinhos – meus maiores admiradores!



 A queridíssima Yerecê Soares!

março 15

MI 5 – Sobrevivendo à críticas





MI 5 – Sobrevivendo à críticas

Olá amigos do blog!

Hoje trago para vocês um assunto polêmico, porém muito importante para nós autores iniciantes.

Antes de começar, gostaria que refletissem um pouco em um post anterior que coloquei aqui no blog já faz algum tempo, sobre os 7 pecados capitais do escritor dentre eles em especial o 4º 5º e 7º que transcrevo logo abaixo:

  
4)    IRA

Também conhecido como escritor Robert Bruce Banner. Ficam furiosos e se transformam em verdadeiros monstros quando erram. Não admitem imperfeições. Os aposentos onde escrevem é lotado de papéis rasgados. Jamais usam laptops, costumam escrever nos desktops, pois um teclado quebrado custa mais barato do que um laptop.

Nunca visite um na época que ele estiver enviando originais para as editoras, pois a recusas podem se transformar em um dia de fúria e colocar sua vida em risco. Criticá-lo então é colocar sua vida em risco.

5)    A INVEJA

É o escritor que não compreende por que Dan Brown, J Benitez,  J.K. Rowling  vendem milhões de exemplares sendo que o livro que escreveu é anos luz melhor do que os deles. Acreditam que só escrevem Best sellers que estão aguardando para serem editados.

7)    VAIDADE

É o escritor que a foto aparece já na capa do livro destacando-se mais do que o titulo da obra. Apenas supervalorizam o que escrevem e jamais leem outros autores. Geralmente evitam o espelho nos locais de produção literária para evitar distrações.  Amam escrever auto- biografias.

Fundamentando-se nestes pecados capitais – que por sinal fazem parte da índole humana -, após seu livro publicado prepare-se: nem tudo são flores.

Um grande problema que tenho observado, é que vários autores perderem a compostura, seja pessoalmente ou até mesmo nas redes sociais, quando recebem uma crítica.

Não pensem que isso acontece apenas com o autor iniciante. Já vi uma palestra em que um renomado autor foi chamado de louco, devido a seu livro tratar de aparições ufológicas, porém, o autor sabiamente manteve-se diplomático e elogiou a crítica recebida esquivando-se com sabedoria e colocando seu algoz inquisidor a refletir.

Receber críticas é bom, pois é através delas que podemos encontrar um termômetro – desde que seja uma crítica bem fundamentada – pois ela nos ajuda a mensurar falhas como autor ou até mesmo falha da editora nos quesitos: capa, diagramação, revisão, distribuição. Acredite, em todas as etapas haverá alguém que irá descer a lenha em algum ponto. Talvez pela minha profissão, aprendi a sobreviver com críticas, pois trabalho no SUS e recebo diariamente toneladas de reclamações.

O brasileiro tem a índole de criticar, porém “poucas” são plausíveis, e muitas delas na verdade são um desabafo. Se quando estamos em uma fila e o atendimento é demorado imediatamente começamos a reclamar. Vivemos em um país que nada é perfeito e tudo tem defeito, seja a saúde, educação, governo, vida pessoal, vizinhos, e por aí vai; por que não deveria existir uma crítica com relação a seu livro?

O problema é que muitos autores são como mãe coruja: apenas o próprio livro é perfeito – um best seller – , e com 100 % de perfeição.  Se você pensa assim, meu amigo, certamente o mercado literário e blogs irão lhe devorar vivo, mastigar seus ossos e beber seu sangue. Aprenda a sobreviver com isso. Já recebi criticas de leitores quanto a erros gramaticais em meus livros anteriores. O que fiz? Anotei todos e conferi na obra, e encaminhei para a editora para que fosse reajustado nas próximas edições – o legal foi que o custo foi zero kkkkkk.

Já recebi uma crítica muito bem fundamentada sobre minha narrativa, o que fiz? Comprei dois livros sobre narrativa, sendo um deles em inglês e considerado um best seller internacional – na parte técnica –  e aprimorei minhas falhas.

Não adianta brigar com blogueiros, postar comentários desaforados contra as pessoas que lhe criticam. Pasme ou não, uma critica é a apreciação de seu trabalho, sendo ela positiva ou não. Caberá a você ter o bom senso e compreender se existe veracidade nela ou não e com certeza ela irá lhe ajudar a aprimorar seu trabalho e detectar pontos falhos em seu processo de escrita.

O mais importante é saber separar o joio do trigo. E não dar importância quando uma crítica não é bem fundamentada. Existem sim pessoas maliciosas que gostam de denegrir o trabalho de um autor, porém, o que é uma crítica sem fundamento no meio de mil elogios? Caberá a você decidir se irá dar atenção à ela ou não.

Já recebi muitos comentários sobre meu blog, sobre meus livros, e graças a Deus, até hoje soube fazer bom uso deles e tenho me lapidado para apresentar cada vez mais um produto de melhor qualidade, seja aqui no blog ou na escrita literária.

Cabe ao bom autor – quando a crítica for diretamente relacionada ao conteúdo de sua obra -, procurar aprender com os erros e seguir em frente. Seja otimista e procure lapidar o seu lado falho – se é que houve.

Quanto as criticas direcionadas a editora – diagramação, capa, revisão -, não caberá a você ajustá-las, porém, você pode direciona-la a seu editor, pois para ele – caso o editor tenha bons olhos para recebê-las -, também é uma forma de melhorar seu produto, pois um livro é sim um produto que é vendido em uma livraria destinado a um consumidor onde sabe-se que atualmente existe uma briga de foice entre grandes editoras. Aquele que oferece um produto de má qualidade sairá perdendo espaço e consequentemente autores e leitores.

Então, conclui-se que aquele – autor / editor -, que for capaz de absorver uma crítica com conteúdo, meu amigo, posso lhe assegurar que certamente o mundo será dele.

Um forte abraço a todos!
março 12

Olá Amigos do Blog!
No sábado, dia 16 de Março estarei na livraria leitura do BH Shopping – Belo Horizonte, autografando o livro Faces de um Anjo, juntamente com os autores Eliane Raye – Autora do livro O Portal e do Autor Ledinilson Moreira que estará lançando seu novo livro Recomeço.
Será uma tarde animada com roda de bate-papo. 
Quem quiser aproveitar, estarei disponível pessoalmente para tirar dúvidas do processo de escrita literária.
Desde já, um forte abraço a todos!

março 2

Resenha O Ceifeiro


Olá amigos do blog!

Hoje trago para vocês mais uma nova resenha.
Dizem que o maior chamariz para a leitura de um livro é a capa e posso lhes afirmar que isso é verdade. Quando vi a capa do livro O Ceifeiro ─ criada pelo César Oliveira ─, realmente fiquei com aquela vontade gostosa de saborear o livro, automaticamente entrando o livro para minha humilde lista de leitura. A capa é muito convidativa e transmite mistério e religiosidade principalmente pelo anjo estar com as mãos em prece, por trás de um cenário de uma grande cidade.  Também tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o autor Al Gomes no evento literário em Itapeva – SP ─ minha cidade natal ─, e posso lhes assegurar que o autor carrega como marca pessoal a timidez e isso dá um tempero especial a obra. Então vamos lá!

Autor: Al Gomes
Gênero: Ficção
ISBN: 9788582180150
Nº de páginas: 216
Dimensão: 14×21
Editora: Dracaena
Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/221066

Sinópse:
Acordar nos braços de um anjo seria a última coisa que Duda Vasques teria pensado quando tentou se suicidar. No entanto, foi exatamente isso que aconteceu.
O anjo Ariel, que se apresenta como sendo o seu suposto Ceifeiro – após recuperar sua memória – a leva através de uma jornada por lugares do além-vida como a Geena e o Hades.
Porém, quando a alma de Duda desaparece misteriosamente antes que cheguem a Cidade dos Suicidas, Ariel terá que correr contra o tempo para encontrá-la antes que Seth, seu General Celeste, descubra que ele perdeu a conexão com aquela cuja alma ele deveria ceifar.
Enquanto isso, refém de entidades sombrias que se alimentam da energia produzida por seus sonhos, a alma de Duda ameaça cruzar a frágil linha que separa os sonhos da realidade.
Conseguirá ela escapar e voltar para o seu corpo físico? 

Ou sua consciência se perderá para sempre no Mundo dos Sonhos?
Um lugar onde realidade e fantasia se misturam e nada é o que parece ser.

Resenha

Primeiramente, o Ceifeiro é um livro para ser lido com a mente aberta, deixando de lado todos nossos estigmas referentes a religiosidade. É por isso que o livro é classificado no gênero de ficção e dentro da literatura fantástica.
Nossa protagonista, chama-se Duda Vasques, uma modelo que trabalha na agência Beauty Models  do namorado Gabriel, entrando em uma fase não muito boa da carreira, pois sofre de anorexia nervosa. Apesar de alertada pela mãe e pelo namorado – diversas vezes -, chega um momento em que o namoro entra em crise e ela sutilmente é convidada a afastar-se da agência.
Então vocês podem imaginar o resultado da seguinte fórmula: modelo + anorexia nervosa + demissão.
Examente… O resultado é uma terrível depressão seguida da tentativa de suicídio, o que coloca Duda Vasques em coma por um longo período.
Bem, é nesse ponto que o livro começa.
Duda acorda em outro mundo, aos cuidados de seu Ceifador, o Anjo Ariel, que se apaixona por ela, porém não pode tocá-la, ao menos que fosse permitido através de um julgamento em um tribunal de anjos, porém, raríssimas vezes os julgamentos foram a favor do romance entre anjos e humanos.  Caso ocorresse o romance sem a permissão, Ariel se tornaria um anjo caído, o seja, seria abolido pelo céu e pelo inferno.
Em vários momentos o livro me lembrou uma mistura do filme Cidades dos Anjos com o livro a Divina Comédia de Dante Alighieri, porém de forma bem resumida, com algumas citações religiosas no meio da obra ─ por isso minha menção inicial no início da obra para ler o livro com a mente aberta ─, que acrescem muito o plot da história.
Quanto ao final… bem, não posso contar se não vira spoiler. Porém, confesso que não foi o que eu esperava ─ talvez pela religiosidade envolvida e meu gosto pessoal─, mas posso lhe assegurar que muitos leitores irão amar.
Um livro simples, com uma escrita fluída e cativante. Al Gomes nos mostra mais uma vez que temos uma safra especial de autores nacionais a caminho capazes de nos surpreender e nos conduzir a uma viagem ─ ainda que curta ─ ao “inferno”, “purgatório” e “paraíso”.
Um livro de ótima qualidade editorial, boa diagramação e boa revisão.
Recomendo a todos que curtem o gênero.

Sobre o Autor

 
Al Gomes é natural de Alagoas, tem 37 anos e é formado em magistério. Em 1997 mudou-se para São Paulo onde vive e trabalha como Suporte Técnico há dez anos. Adora ouvir música, preferencialmente da década de 80 e 90, ler e escrever, sempre acompanhado de uma boa xícara de café. Seu primeiro livro, O Ceifeiro, é um romance sobrenatural voltado para jovens e adultos.