fevereiro 9

Resenha O Diario Serial


Olá Amigos do Blog!

Sei que ando meio atrasado com as resenhas de autores, porém, minha vida ultimamente anda um pouco tumultuada, mas vamos tentando ir compensando os atrasos.

A resenha de hoje é sobre o livro O Diário Serial, do autor nacional Igor Castro.
Sinópse: Verão no litoral catarinense. Uma época de sol, calor e muitas festas.
Mas esta rotina paradisíaca mudará quando uma série de assassinatos assolar a cidade, em eventos nunca antes presenciados.
Um serial killer está solto, escrevendo em seu diário seus mais profundos e aterrorizantes sentimentos, descrevendo como se sente quando mata e como pretende continuar com seu plano.
A única esperança da cidade é uma dupla de jovens policiais, que caçarão o assassino nos mais diversos cantos da Ilha da Magia.
Um thriller bombástico do início ao fim, que colocará o primeiro serial killer em terras florianopolitanas
.
Igor Silva de Castro nasceu no Rio de Janeiro em 1984, e ainda muito jovem foi para o Sul com sua família. Formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina, tem o hobby de escrever desde criança. Mora atualmente na cidade paranaense de Ponta Grossa. Apaixonado por Florianópolis, sua residência por mais de 7 anos, baseia suas obras nesta cidade. Inspirado por Stephen King e Dan Brown, este é seu primeiro romance.
 

Adorei o livro, em se tratar de um suspense-policial.  Com certeza já coloco o autor no grupo dos selectos autores nacionais que prometem resgatar o elo perdido de nossa literatura.

A história se passa em Florianópolis, onde um serial killer, que se auto intitula O Juiz – devido a uma letra escrita com sangue na região frontal de cada vítima que irá montar a palavra O JUIZ – e começa a cometer assassinatos com requintes de crueldade, deixando com a vítima, outra pista que irá indicar quem será o próximo a morrer.

Fundamentado nessas pistas começamos a nos questionar durante a leitura sobre quem é O JUIZ e logicamente o assassino. Seria alguém que carrega consigo a psicopatia de poder julgar a vida e a morte de cada indivíduo ou alguém com cicatrizes do passado que decidiu vingar-se de certas pessoas ou quem sabe de alguém muito especial?

A história é bem articulada com narrativa em primeira pessoa – ora do psicopata / ora dos policiais -, uma diagramação de primeira e capa com brilho muito bem elaborada pelo capista Cesar Oliveira da Dracaena.

A única parte que achei que destoou um pouco da trama, foi o envio do resultado do Dna das manchas de sangue que estava no crânio, por ”sedex” – que não vou contar de quem era para não gerar spoiler -, porém, no inicio trata-se de uma obra escrita em 2010. É complicado aceitar a ideia do envio do resultado do exame por sedex, sendo que existem email e celular e por se tratar de uma investigação de um serial killer, sabemos que é empenhada toda a prioridade da investigação. De qualquer forma não é um erro de primeira ou segunda ordem que prejudiquem o leitor e confesso que até eu já cometi o mesmo erro e fui criticado pelos fãs assíduos do CSI.

Quanto ao final, deixo a cargo de cada leitor em ser “O JUIZ”, para julgar uma obra de excelente qualidade de um autor nacional.

Indico o livro como uma ótima leitura aos fãs do gênero.

Um forte abraço a todos!