outubro 24

A Arte de Escrever: Entrevista Márcio Scheibler


      
     Olá amigos do Blog!
    Hoje trago para vocês em primeiríssima mão a entrevista com o autor Márcio Scheibler, autor dos livros Irresistivelmente Fatal e Cicatrizes de um Segredo.
B   Um forte abraço a todos! 



     “…  mostre seu trabalho a uma editora. Se é para se arrepender um dia,  que seja por ter arriscado a publicar.”
      
      Márcio Scheibler
      http://escritormarcioscheibler.blogspot.com.br/  
      1)     Fale um pouco sobre quem é Márcio Scheibler.
Sou funcionário público municipal concursado de Santa Cruz do Sul (RS), formado em Administração e amante do futebol, livros e rock n’ roll. Sonho em montar uma biblioteca particular, que atualmente conta com cerca de 280 livros. Amo animais e a natureza em geral. 
         2)   Como foi que surgiu a ideia de publicar seu primeiro livro?
À medida que fui criando gosto pela literatura, a vontade de criar minhas próprias histórias foi crescendo. Como as histórias policiais sempre me fascinaram, mergulhei nesse universo também. Queria ter meu próprio detetive solucionando crimes. Criei histórias curtas, praticamente contos, ao longo de minha adolescência e início da fase adulta, mas nada que foi publicado ainda. Alguns textos se perderam.
    3) Como se dá seu processo de escrita –  desde a concepção da ideia ao livro publicado?
As ideias para escrever surgem dos lugares e das situações mais inesperadas, às vezes. Meu conto publicado na coletânea JOGOS CRIMINAIS 2, da Editora Andross, em 2011, foi inspirado numa cena de novela que curiosamente eu estava assistindo. Digo curiosamente, pois não assisto a novelas, mas naquele dia eu estava assistindo e uma cena me inspirou.
Antes de iniciar um novo texto, eu procuro pontuar tópicos-chave para            depois conectá-los ao longo da trama. Depois de finalizado, eu faço   uma revisão tanto ortográfica quanto da história em si, procurando ajustá-la melhor ao que quero.
  
    4)Como é sua rotina de escrita?
Atualmente não está muito ativa, pois depois que publiquei meu segundo livro em agosto de 2010, apenas escrevi contos e dois deles foram publicados em coletâneas (Jogos Criminais 2 e Nem te conto). Pretendo ainda esse ano iniciar uma terceira obra. Eu não escrevo todos os dias, coisa que eu gostaria muito de fazer, mas devido às outras atividades, é algo muito difícil de conciliar.
      5) Como foi seu processo para encontrar uma editora?
Primeiramente resolvi procurar uma editora da minha cidade e, felizmente, consegui publicar com uma delas, a Editora Zum. Publiquei o segundo livro com ela também. No caso de obras que venham a surgir, eu pretendo procurar uma editora maior do centro do país, principalmente para ter uma exposição maior a nível nacional.
         6) Você mantem contato com seu editor/editora?  Quais são as dicas que eles te dão?
Atualmente o contato não é muito grande, mas houve épocas que era quase diário, principalmente quando uma obra estava para ser publicada. Como o dono da editora também é escritor e conhece o ramo da literatura muito bem, o que ele me falava era pra que eu mesmo fizesse a maior parte da divulgação, pois a concorrência é grande e o contato direto do autor é garantia maior de vendas.
 7-  Qual é o autor e a obra que mais lhe influenciam/ influenciaram?
No gênero policial, Agatha Christie, Arthur Conan Doyle e Sidney Sheldon. Nos demais, Dan Brown.
8-Seus livros abordam a literatura investigativa, mistério e suspense. Com relação aos livros – Irresistivelmente Fatal e Cicatrizes de um Segredo – qual foi o comentário de seus fãs que mais te emocionou?
Vou comentar uma situação que me ocorreu ano passado. Num determinado dia li uma resenha que uma blogueira do Nordeste fez do meu segundo livro. Ela disse que tinha muita vontade de lê-lo, mas ficou decepcionada ao fazer isso. Fez muitas críticas negativas e isso me deixou um pouco chateado, mas aceitei, pois nosso trabalho está sujeito a isso o tempo todo. Temos que saber absorver.
No dia seguinte, outra resenha surgiu, escrita por uma menina, que não lembro de onde era. Ela fez inúmeros elogios e disse que eu havia sido genial. Meu ego ficou nas nuvens, tamanha a satisfação ao ler isso.
Nessas horas cabe aquele ditado: nada como um dia após o outro.
9-  Qual é o conselho que você daria para os novos autores?
Já ouvi gente comentando que escrevem, mas tem vergonha de mostrar a alguém, pois muitas vezes o que está relatado ali é de cunho íntimo. Mas se a intenção inicial era escrever algo para ser publicado posteriormente, mostre seu trabalho a uma editora. Se é para se arrepender um dia, que seja por ter arriscado a publicar. Críticas positivas e negativas surgem em qualquer ramo de atividade.
Leia bastante sobre o gênero que você pretende seguir. Monte um esquema e uma rotina de escrita. Mostre a um amigo ou familiar parte do que você escreve. Receba as opiniões e trabalhe em cima delas. Às vezes um conselho de uma pessoa próxima vale mais do que o de um profissional.
     10-   Deixe aqui uma mensagem para os seguidores do Blog A Arte de Escrever.
Primeiramente, obrigado pela oportunidade de expor meu trabalho aqui. A  leitura é algo imprescindível em nossas vidas. Deixa-nos mais cultos, com melhor vocabulário, amplia nossas visões e opiniões. Coloca nosso cérebro pra trabalhar, pois nos faz criar as imagens daquilo que estamos lendo. Ler nada mais é do que saber o que se passa na mente do autor. É a capacidade de ler os pensamentos. Desfrute desse prazer, sem contraindicações.