maio 24

Autor Ledinilson na Bienal de Minas com o livro Portais

Olá amigos do blog!

Neste sábado – 26/05/2012, quem estará na Bienal de Minas é o autor Ledinilson Ribeiro Moreira, autografando seu novo livro: Portais, no estande dos autores independentes (G17).
Já reservei um horário e por volta de 15h estarei pessoalmente na bienal para prestigiar o autor e tirar uma foto com o colega escritor.
Ultimamente tenho observado ótimos autores nacionais emergindo com obras fantásticas que estão sendo descoberta por inúmeros leitores desse país.
Não tenho a menor dúvida de que a nova tendência é de futuramente termos ainda mais Best Sellers de autores nacionais no mercado livreiro mundial.
Enquanto isso vou aproveitando e aumentando minha biblioteca particular com livros autografados – fiquem com inveja kkkk-  para futura resenhas no blog – isso sem contar que a oportunidade é ótima para conseguir os autógrafos enquanto a multidão ainda não descobriu esses talentosos escritores-; bem como compartilhar grandes obras ainda desconhecidas por muito leitores.
Um forte abraço a todos!

Sinopse

Portais é o primeiro livro de uma trilogia, que conta a história de um grupo de universitários que tinham uma vida perfeita na cidade Ouro Preto – MG, quando descobrem que descendem de clãs superpoderosos. Reféns dos seus destinos, eles se unem à filha de um grande inimigo para tentar abrir os Portais, antes que alguém o faça e coloque a humanidade em risco. Para isso, terão que juntar as peças de um grande quebra-cabeça, enfrentando os desafios impostos em suas vidas e ao mesmo tempo desenvolver seus poderes.
Os personagens dessa trama vão percorrer diversos países – Brasil, Canadá, Bélgica, Holanda, França e República Tcheca – em busca de pistas para os Portais e com a companhia de guardiões que, a princípio, teriam a missão de protegê-los, mas…

Portais leva o leitor a viajar para outros mundos, decifrando enigmas e mistérios. A proposta do livro é inquietar o leitor, com uma narrativa repleta de ação, suspense, mistérios, grandes amores, fortes amizades, traições e descobertas.

Bienal do Livro de Minas – 26  de maio (sábado), de 10h às 21h.
Autor – Ledinilson Ribeiro Moreira
Quantidade de páginas: 316 / ISBN: 9788591153503
Preço Especial na Bienal: R$25,00

Site – www.portaisolivro.com.br

Book trailer: http://www.youtube.com/watch?v=VRQfSVUgWiU&feature=player_embedded

E-mailportais@portaisolivro.com.br

                                  Sobre o autor

 
Ledinilson Ribeiro Moreira, Nasceu em João Monlevade, Minas Gerais. Morou durante anos em Ouro Preto, Recife e, atualmente, vive em Belo Horizonte. Teve a oportunidade de conhecer todos os países onde foram encontradas as chaves dos Portais – Canadá, Bélgica, Holanda, França e República Tcheca.
É formado em Computação, com MBA em Gestão Estratégica de Negócios, possui passagem pelo Mestrado em Telecomunicações no Inatel-MG e intercâmbio em Toronto, no Canadá. Atualmente é professor na instituição de ensino Utramig, em Belo Horizonte, e gerente comercial na empresa Microcity.

maio 21

Faces de um Anjo na Bienal do Livro de Minas Gerais

Olá Amigos do Blog!
Hoje trago a você um pouquinho sobre a Bienal do Livro de MG que participei com ao lado de duas maravilhosas escritoras: Larissa Siriane e Janaina Rico – coloquei em ordem alfabética para não gerar ciúmes kkk.
Considero essa Bienal de um lado a mais conturbada e por outro lado a mais espetacular de todas.
Conturbada pois havíamos pago antecipadamente nosso espaço em um stand da Bienal – que por sinal era o único que ficou vazio -, que foi intermediado por Alguém que não irei citar o nome – meio Harry Potter não é -, que nos comunicou na véspera do evento. Detalhe: uma autora era de São Paulo e a outra de Brasília e já estavam com passagens e hotéis pagos.
Não desanimamos e como Joseph Klimber – clique aqui e veja o vídeo-, nunca desistimos. Fomos até a bienal e procuramos a direção do evento. Choramos, sapateamos, crises de pitis e nada. A responsável pela organização da bienal nos comunicou que estávamos sem espaço e o pior, não poderíamos sequer promover a caça ao tesouro – vide aqui evento que anunciamos.
Procuramos então a Camara Mineira do Livro, que mostraram solidariedade pelo ocorrido e se prontificaram a procurar uma solução atenuante.
Enquanto isso nos dirigimos a praça da alimentação e secretamente – sem que a organização do evento descobrisse – começamos a twittar as pistas da caça ao tesouro – afinal tínhamos um compromisso com nossos leitores.
Agora começa a parte espetacular…
Então a galera foi nos encontrando. Primeiro a Janaina Rico, depois a Larissa e como gosto de mistério e complicar a situação, por fim me encontraram. 
Para minha surpresa e como estava disfarçado de escritor, -havia tirado meus óculos-, foi então que fiquei completamente surpreso ao ver que quem havia me encontrado foi nada mais nada menos do que a fantástica Paola Patrício – editora do blog Plantão on line -, que foi a ganhadora do exemplar autografado do livro Faces de um Anjo.
A Paola foi contando para a galera que alguns autores do selo estavam por lá, e enfim tiramos diversas fotos.

Nesse momento aproveitei para informar sobre o concurso Eu Amo o Autor Nacional promovido pela editora Dracaena e de imediato fotos insanas começaram a surgir com a galerinha segurando o livro Faces de um Anjo.

Nesse momento surge o pessoal da Câmara Mineira do Livro e gentilmente dividiu espaço com este trio de autores, bem em frente ao local que a Paula Pimenta estava autografando – a turminha teen estava exaltadíssima e como gladiadores lutavam pelo autógrafo da renomada autora.
Enquanto isso vendíamos nossos livros e tirávamos fotos com nossos leitores.

Para fechar com chave de ouro, ao final da noite histórica de 19/05/2012, Paula Pimenta pessoalmente vem ao nosso stand e trocamos altas idéias – é claro que comprei um livro autografado da autora com dedicatória para minha filhota Ana Luisa. -Peço desculpas para os que aguardaram na disputadíssima fila kkkkkkk.

Bom, posso resumir esse dia tão especial a todos nossos fãs que nos prestigiaram em duas palavras: Amo vocês!
Um forte abraço!
maio 21

Concurso Cultural: Eu Amo o Autor Nacional!

A Editora Dracaena está com uma nova promoção para seus leitores e parceiros.
Demonstre sua paixão pelos autores nacionais e ganhe muitos prêmios!
Para participar é muito fácil:
Tire uma foto com um de nossos livros e crie uma frase que expresse seus sentimentos pelo livro da foto, pelo autor da obra ou pela Editora Dracaena.
Envie sua foto para o nosso email (marketing@grupooxigenio.com), junto com seu nome completo, twitter (opcional), cidade e estado onde mora. Mande quantas fotos quiser, mas sempre com um livro diferente da Editora Dracaena por vez.
As fotos serão postadas nas nossas redes sociais (Twitter e Facebook) para todo mundo votar. As dez (10) fotos mais curtidas e comentadas serão as ganhadoras da promoção.
Para vencer essa, você tem todas as chances possíveis. Basta compartilhar, divulgar e pedir para todo mundo votar na sua foto.
E o prêmio? Cada um dos vencedores poderá escolher 01 exemplar de qualquer livro da Editora.
São 18 títulos para você escolher:
Contos De Meigan / A Arte Da Invisibilidade / O Imortal / Demoníaco / Faces de um anjo / Redenção / Equinócio / O Alma / A Ordem dos Lendários / Terra sem lei / Yume / O Amor dá uma segunda chance /Sentimento Fatal / Oldar / Diário Serial / O Punhal / O Escolhido e O Vale das borboletas.
Só entram na promoção as fotos que seguirem todas as regras. A frase deve ter coerência e bom uso da língua. Imagens ofensivas ou que possam ofender a obra, o autor ou a Editora não serão classificadas.  
Participe!
Regras:
1 – Promoção é valida em todo território nacional de 01 de maio de 2012 a 19 de Junho de 2012.
2 – Os ganhadores serão divulgados no dia 21 de Junho via Facebook, Twitter e no Blog oficial da Editora Dracaena.
3 – Cada participante poderá escolher um livro por cada foto enviada.
4 – A escolha só é valida para os 18 livros participantes do concurso.
5 – Caso o participante queira participar com mais de uma foto, será necessário ter em cada foto livros diferentes.
6 – Foto enviada sem os dados solicitados será desclassificada.
Favor enviar a seguinte autorização por email junto à foto enviada:
Eu autorizo o uso de minha imagem e meus dados (nome, cidade e estado) no Concurso Cultural Apaixonado por Nacionais, organizada pela Editora Dracaena.
Nome completo:
CPF:
RG:
Endereço completo:
Facebook:
Twitter:
 
Autor Igor Castro é destaque em Ponta Grossa no Jornal da Manhã.
Compre já O Diário Serial no  Site da Editora e na Livraria da Travessa
 
Confira o book trailer do livro “Limiar: entre o céu e o inferno”, da autora Elaine Velasco.
http://www.youtube.com/watch?v=-Z6rW0FU8JI
 
Confira os books trailers do livro “A Arte da Invisibilidade”, do autor Allan Pitz.
http://www.youtube.com/watch?v=kAFSYrY-67w&feature=youtu.be http://www.youtube.com/watch?NR=1&feature=endscreen&v=FQkTMaJ8wbU
maio 16

Jovens escritores do Selo Brasileiro autografam na Bienal de Minas

Jovens escritores do Selo Brasileiro autografam na Bienal de Minas

 No dia 19 de maio de 2012, sábado, os escritores Janaina Rico, Hermes Lourenço e Larissa Siriani, representantes do Selo Brasileiro, estarão reunidos na Bienal de Minas a partir das 16h para levar ao público jovem a paixão pela literatura.

Dentro de uma perspectiva jovial e contemporânea, o projeto “Selo Brasileiro” foi criado por autores nacionais para valorizar a literatura, bem como a cultura no país. A ideia do projeto é viajar pelo Brasil a fim de estabelecer uma relação de intimidade entre o escritor e o leitor e, por conseguinte, incentivar a leitura entre os jovens que é o seu público-alvo. “A grande importância do Selo Brasileiro é para que os jovens possam ter acesso aos escritores e os acharem tão divertidos como astros de rock” diz a escritora brasiliense Janaina Rico, autora do romance “Ser Clara” e idealizadora da Campanha “Eu Leio Brasil”.

Para o evento da Bienal de Minas, o Selo Brasileiro e as respectivas editoras farão uma animada “Caça ao Tesouro”. Os três primeiros leitores que descobrirem onde estão os autores Janaina Rico, Hermes Lourenço e Larissa Siriani levarão para casa um título de um deles.
 Outras informações: assessoriadeimprensabsb@gmail.com
 (61) 8458-4434
maio 15

Bienal de Minas

Atenção pra galera que vai pra Bienal de Minas 🙂

Eu, a Janaina Rico e a Larissa Siriani já temos dia e hora certas pra chegar por lá: 19/05 a partir das 16h, estaremos autografando lá na Expominas. Agora, aonde….

Aí vocês é que vão ter que descobrir! Vai começar a Caça ao Tesouro do Selo Brasileiro! A brincadeira é a seguinte: dia 19 daremos dicas via twitter (no @LarissaSiriani, @Janaina_Rico e @HMSFENIX) sobre a nossa localização, ou melhor, a localização do nosso stand. Os três primeiros leitores que aparecerem por lá poderão escolher qual dos três livros quer ganhar: Faces de Um Anjo, Ser Clara ou As Bruxas de Oxford, de acordo com a disponibilidade! A brincadeira começa às 16h, então fique de olho! Chegou primeiro, levou na faixa!

                                               o/ o/o/ o/o/ o/o/ o/o/ o/o/ o/o/ o/o/ o/


maio 14

Seja o primeiro a desvendar esse mistério!

Olá Amigos do Blog!
Andei meio sumido, mas como a fênix às vezes ressurjo das cinzas.
Bem, hoje trago uma postagem muito especial para todos e uma Mega Promoção!
No dia 19 de Maio de 2012 estarei as 16 horas junto com duas autoras muito especiais do Selo Brasileiro na Bienal de Minas.
Estaremos vendendo e autografando os livros:
SER CLARA – Janaina Rico
AS BRUXAS DE OXFORD  – Larissa Siriane
FACES DE UM ANJO  – Hermes Lourenço
Quanto a promoção vai ser da seguinte forma:
Cada autor irá ceder um dos títulos acima para os 03 primeiros que chegarem ao stand.
Bem, como gostamos de enigmas e amamos o suspense, não iremos revelar onde estaremos, mas iremos deixar pistas no twitter até que nos encontrem.
Ou seja, ”as três primeiras pessoas que chegarem ao nosso stand” irão ganhar totalmente Grátis um exemplar Autografado de um dos títulos acima a sua escolha – a medida que disponíveis por ordem de chegada.
E aí, vão perder essa chance? Nos vemos lá então!
Um forte abraço a todos!
  
Ser Clara: http://www.skoob.com.br/livro/107461
As Bruxas de Oxford: http://www.skoob.com.br/livro/156281
Faces de um Anjo: http://www.skoob.com.br/livro/202195
maio 1

Enquanto houver tempo

Olá amigos do blog!
Quem pensou que ele havia desaparecido, se enganou.
Paulo Henrique Gomes Gontijo nos agraciou com mais um belíssimo conto, instigante e surpreendente.
Espero que gostem!
Um forte abraço a todos.

ENQUANTO HOUVER TEMPO

 
A noite chegou, como que de repente, lançando suas sombras escuras sobre a cidade. Era uma noite fria, quase gélida, nevoenta, que confirmava para dentro de poucos dias a intensificação do inverno castigador que os noticiários estavam prevendo para aquele ano. A lua, opalescente, parecia lutar para se manter luminosa, envolta numa espécie de esponja negra que a tudo tentava enegrecer. Naquela rua de um bairro de casas luxuosas, a tranqüilidade já se podia notar; apenas uns poucos garotos brincavam de bola, bem no meio dela, aproveitando a quase total ausência de veículos àquela hora. Sérgio Andrade, com um lento caminhar, caminhava em direção à sua casa. Andava com as mãos enfiadas nos bolsos de seu sobretudo e seu pescoço contraía-se sobre os ombros, numa manifestação de frio. Olhou  para as crianças gritando e deteve-se por um instante para apreciar a energia daqueles meninos, que indiferentes ao frio, brincavam animadamente. Nenhum deles pareceu notar a presença um tanto quanto estranha de Sérgio, que ali estacara para observa-los. Sérgio passou a observar especificamente um daqueles garotos, pois aquela criança o fazia lembrar em muito o seu próprio filho, Gustavo de oito anos. Achou graça enquanto via o menino gritando, xingando os seus colegas na disputa pela bola. Lembrou-se do quanto Gustavo gostava de futebol e nas inúmeras vezes em que ele havia prometido leva-lo ao estádio para ver o seu time jogando. E de repente o sorriso morreu em seu rosto e sua fisionomia tornou-se vazia, empedernida. Abaixou a cabeça e retomou a sua caminhada. Ao chegar em frente a sua casa, poucos metros à frente, estacou novamente e passou a vislumbrar toda aquela fachada, de dois pavimentos. Em seu peito, ardia um terrível sentimento de dívida para com seu filho e sua mulher, Lúcia. Depois de um tempo de contemplação, ele entrou. Ao chegar a sala, que se encontrava quase que totalmente submersa na escuridão, avistou sua mulher na cozinha de costas, à pia, preparando alguma coisa. Pensou em ir até lá, mas sentiu que não era conveniente. Não naquele momento. Então, exausto emocionalmente, ele deixou-se sentar no sofá e se perguntou o que poderia fazer para consertar suas faltas perante a sua família. Era claro que aquele acidente automobilístico que ele sofrera três dias antes era uma sacudida de Deus. Batera o carro por causa do excesso de trabalho, isso era inquestionável. A batida fora uma forma de mostrar que bens materiais não são tudo na vida. Tais bens são todos perecíveis, voláteis ao passo que valores como o amor, a família, são imensuráveis, são eternos. Tanto era verdade que agora ele estava ali, sem o seu luxuoso carro, que tivera perda total e, como se não bastasse, com uma dívida emocional enorme para com sua mulher e filho, numa relação tão estranha e distante que parecia existir um gigantesco muro entre eles.
Sérgio vinha levando uma vida profissional muito agitada nos últimos tempos. Advogado obtivera oportunidades muito tentadoras no grande escritório em que trabalhava. Como viera de uma família de parcos recursos financeiros, sabia bem o que era viver sem dinheiro, o que, obviamente, o levou a agarrar exageradamente a primeira oportunidade que aparecera para sair daquela situação. Quando ainda era recém-casado, com muito sacrifício, ele custeou a faculdade de direito enquanto trabalhava durante o dia. A relação conjugal neste período de arrocho financeiro, por mais incrível que pudesse parecer, era maravilhosa, totalmente adversa de quando Sérgio iniciou a sua ascensão profissional, logo depois de formado. Naquela época de estudante, Sérgio mostrava-se extremamente carinhoso e cuidadoso para com Lúcia. Tinha poucos horários livres, era verdade, mas ela compreendia muito bem tudo aquilo. É que nos momentos em que estavam juntos, tudo era vivido intensamente, de maneira que ela nunca se sentira relegada a segundo plano. Gustavo nasceu depois de um ano de casados e já contava com seus cinco anos quando Sérgio se formou. Uma vez tendo se tornado advogado, a presença do marido continuou inevitavelmente esporádica, mas agora sob outra alegação: a de conseguir uma vida digna para a família com a nova profissão. Lúcia, com uma certa angústia, aceitou aquela situação como necessária, achando que tão logo Sérgio começasse a ter uma estabilidade, ele iria poder enfim diminuir o ritmo de trabalho e assim se dedicar mais à família. Mas não foi o que aconteceu nos anos seguintes. O padrão de vida realmente se elevou visivelmente: casa nova, carro novo e a melhor escola para Gustavo. Mas a presença de Sérgio era cada vez mais rara em casa e conseqüentemente na vida do filho que crescia. Quando Lúcia resolveu alertar-lhe sobre isso, ele se exaltou e acusou-a de não estar querendo o bem de todos, inclusive o do próprio filho, Gustavo. Ela prometeu que nunca mais iria lhe falar mais nada em relação àquele assunto.
Sérgio, ali sentado no escuro da sala, passou as mãos aflitivamente nos cabelos e suspirou fundo ao se lembrar das várias situações em que errara feio com eles, sem ter a noção de que os estava magoando profundamente. Aliás, foram somente erros…Ele não mais dava a mínima atenção para Lúcia. Chegava tarde em casa e pegava Gustavo já dormindo e a esposa a espera-lo. Depois de um rápido lanche, caía esbodegado na cama, reclamando que estava terrivelmente cansado, deixando-a acordada, solitária. Acordava cedo, tomava um rápido café e saía, dando um insignificante aceno para a esposa, pois já estava com o celular colado na orelha, debatendo-se com sócios e clientes. Houve um restaurante, ao qual Lúcia tanto queria ir, que chegou a ponto de fechar suas portas sem ela ter conhecido, por causa dos constantes adiamentos que Sérgio promovia por causa das sucessivas reuniões de clientes. Com lágrimas nos olhos, lembrou-se dos meninos que brincavam na rua, o que lhe trouxe inevitavelmente à mente o semblante de frustração e decepção que o filho apresentava no rosto nas constantes ocasiões em que estava pronto para ir ao estádio, com o uniforme de seu time favorito, e recebia a notícia do pai de que não mais poderiam ir conforme o combinado, por causa de um imprevisto profissional. Erros… Somente erros.
Sérgio levantou os olhos e viu Gustavo descendo as escadas rapidamente, com o rosto molhado de lágrimas. Seu coração disparou de emoção, mas permaneceu ali, no escuro da sala; observou calado o garoto correndo para a cozinha, chamando pela mãe. Lúcia virou-se e o abraçou fortemente. Sérgio então se levantou e caminhou até eles, não conseguindo conter também suas lágrimas.
Pouco tempo depois, os meninos ainda brincavam na rua quando Sérgio passou por eles, desesperado, chorando alto num lamento de remorso e arrependimento. Mas nenhum dos garotos podia escutar nada daqueles urros de dor, e continuaram todos compenetrados na brincadeira. Sérgio continuou correndo sem rumo, pois era-lhe insuportável permanecer em sua casa e escutar seu filho desconsolado, chorando nos ombros da mãe, que tentava conforta-lo pacientemente. E ele, como pai, sem poder fazer nada. Absolutamente nada.
—Por que ele foi dormir ao volante, mãe?—lamentava o garoto em prantos.— Por que, por que…?
Enquanto houver tempo
Paulo Henrique Gomes Gontijo